Evitar o consumo excessivo de álcool, vacinar-se contra a hepatite B, evitar relações sexuais de risco ou a partilha de seringas são formas de prevenir esta doença.

A cirrose hepática ocorre quando as células do fígado morrem e são substituídas por tecido fibroso, semelhante a cicatrizes. A estrutura fica alterada, formando-se nódulos de regeneração e resultando na perturbação da circulação do sangue através do fígado. A substituição do fígado por este tipo de tecido afeta o seu desempenho.

Causas

As mais comuns são:

- Ingestão excessiva de bebidas alcoólicas
- Hepatites provocadas por vírus (hepatites B e C)
- Excesso de gordura no fígado
- Doenças mais raras (cirrose biliar primária, hepatite autoimune, hemocromatose)

Sintomas

A maioria dos doentes com cirrose hepática não apresenta sintomas. Pode desenvolver-se durante anos sem que estes se apercebam. Este período sem sintomas é a chamada fase da cirrose hepática compensada. A fase de maior gravidade, em que surgem complicações, chama-se cirrose descompensada. À medida que a doença progride, podem surgir os seguintes sintomas:

- Emagrecimento
- Cansaço
- Olhos amarelos (icterícia)
- Acumulação de líquido no abdómen (ascite)
- Vómitos com sangue (hematemeses)
- Alterações mentais (encefalopatia hepática)
- Diminuição da resistência às bactérias com infeções muito graves (septicemias ou peritonites)

Qualquer pessoa com cirrose tem um risco muito aumentado de vir a sofrer de cancro do fígado (carcinoma hepatocelular).

Tratamentos

Depende da causa e da fase da doença. Considerando as três causas mais frequentes (álcool, hepatite C e B), os tratamentos passam por:

- Fase compensada
Nesta altura, deve abandonar-se o consumo de álcool.

- Hepatites
Existem medicamentos que, em muitos casos, conseguem eliminar ou controlar os vírus.

- Cirrose descompensada
O tratamento pode envolver antibióticos, diuréticos, endoscopia com terapêutica para as varizes do esófago e tratamentos para impedir o crescimento do carcinoma hepatocelular.

- Transplante hepático
Nalguns casos, poderá ter que se recorrer ao transplante, cuja taxa de sobrevivência é de cerca de 80%.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.