Os probióticos são microrganismos vivos que, ao serem administrados em quantidades adequadas, são benéficos para a saúde, ao ajudarem no equilíbrio da mucosa intestinal e promoverem a prevenção e tratamento de diversas patologias.

O probiótico, palavra originária do latim e grego, significa “pró-vida”, ou seja, para a vida, tem tido variadas definições desde a sua descoberta. Os probióticos são cada vez mais aceites pelos profissionais pois tem comprovado a sua eficácia no controlo de infeções gastrintestinais, no estímulo da motilidade intestinal, na melhoria da absorção de determinados nutrientes e da intolerância à lactose, na diminuição dos níveis de colesterol, têm efeito anticarcinogénico e estimulam o sistema imunológico.

Proteína e treino muscular: 7 mitos desfeitos por uma nutricionista
Proteína e treino muscular: 7 mitos desfeitos por uma nutricionista
Ver artigo

As culturas de probióticos são originárias do intestino humano e animal, sendo as mais usadas os géneros Lactobacillus e Bifidobacterium. Nos aditivos dietéticos as mais usadas são as espécies Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus rhamnosus e Lactobacillus casei.

Os produtos à base de probióticos encontram-se sob várias formas, desde em pó, cápsulas, comprimidos, pastilhas elásticas, géis, colírios e suplementos dietéticos/alimentares. As formas farmacêuticas contendo probióticos devem assegurar a resistência destes microrganismos às condições fisiológicas adversas garantindo a sua viabilidade e eficácia.

A ingestão de probióticos também pode ser feita através de iogurtes e bebidas lácteas, como sejam produtos com o propósito de regularizar o trânsito intestinal ou outros com o objetivo de fortalecer as defesas imunitárias do organismo, atuando na flora intestinal.

No que se refere à dose recomendada destes produtos, esta tem sido alvo de discussão, no entanto, o consumo recomendado é de uma porção por dia, tanto para a adultos como para crianças.

Benefícios

1. Atividade antimicrobiana

Os probióticos podem eliminar ou diminuir microrganismos patogénicos. As culturas probióticas produzem várias substâncias que vão conduzir à descida do pH intestinal, tornando-o num ambiente desfavorável ao desenvolvimento de microrganismos patogénicos.

2. Propriedades anti-carcinogénicas

Algumas experiências realizadas com animais demonstram que as espécies Lactobacillus acidophilus e Bifidobacterium spp. conseguem diminuir a quantidade de enzimas como a β-glucuronidase, azoredutase e nitroredutase, responsáveis pela ativação de procarcinógenos e, consequentemente, diminuem o risco do desenvolvimento de tumores.

4. Propriedades antidiarreicas

Os probióticos auxiliam de forma a prevenir a diarreia que está associada aos antibióticos, tendo também efeito benéfico em indivíduos que sofram de diarreia crónica.

Um plano de treino para eliminar gorduras a partir de hoje
Um plano de treino para eliminar gorduras a partir de hoje
Ver artigo

5. Estimulação do sistema imunitário

Os probióticos atuam nas células epiteliais intestinais, estimulando as células B produtoras de IgA e a migração de células T do intestino e também favorecem a atividade fagocítica.

6. Intolerância à lactose

O uso de probióticos não tem influência na digestão da lactose no intestino, mas impede os sintomas da intolerância no intestino grosso, como gases e diarreia. Contudo depende da especificidade da estirpe, da concentração e preparação do probiótico, bem como da resposta individual do indivíduo aos probióticos.

7. Supressão de infeções causadas por Helicobacter pylori

Os probióticos ajudam a tratar este tipo de infeções bacterianas.

8. Controlo do colesterol

Os géneros Lactobacillus e Bifidobacterium evidenciaram a diminuição do colesterol total sérico e LDL, e o aumento da lipoproteína da alta densidade (HDL).

É importante salientar que nem todos os probióticos apresentam estas funções existem variadas espécies com relação à funcionalidade.

Os 8 melhores exercícios para a perda de peso
Os 8 melhores exercícios para a perda de peso
Ver artigo

A moda do Kefir

Após anos de criação e de informação sobre os probióticos surge a moda do Kefir, conhecido como “flor do iogurte”. O Kefir é um alimento probiótico complexo produzido através de fermentação do leite. Apresenta um aspeto cremoso, semelhante ao iogurte, mas de valor terapêutico e nutricional superior, os grãos do kefir assemelham-se a uma couve-flor.

O Kefir pode apresentar um gosto refrescante, mas também levemente azedo, tudo isto depende da relação entre a quantidade de leite e grãos de Kefir e do tempo que se deixa fermentar. O Kefir pode ser preparado com leite de ovelha, vaca ou cabra repousando durante 24 horas. Com os grãos de Kefir é possível produzir Kefir de sumos de uva, de tangerina, de limão e de bebida de soja.

O Kefir é rico em proteínas, vitaminas e minerais, tem propriedades antifúngicas e antibióticas, tem a capacidade de ajudar no equilíbrio da flora intestinal, facilita a digestão, contribui para a diminuição do colesterol, tem também efeitos positivos no sistema imune e a níveis gastrointestinais. É ainda relevante mencionar que pode ser indicado para pessoas com intolerância à lactose, visto que as suas bactérias e leveduras consomem a maior parte da lactose durante o processo de fermentação.

A maior conscientização da população perante uma dieta saudável e equilibrada faz com que a indústria tenha necessidade de recriar e desenvolver produtos inovadores.

O consumo de um alimento funcional é importante para deste modo contribuir para a promoção da saúde, também com o intuito de promover o bem-estar e tornar o organismo humano mais resistente a doenças.

Um artigo da nutricionista Ana Rita Lopes, responsável da Unidade de Nutrição Clínica do Hospital Lusíadas Lisboa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.