O estudo publicado na Revista Médica Britânica (BMJ, na sigla em inglês) parte do pressuposto científico de que muitas pessoas recuperam o peso perdido após uma dieta, em parte, porque o metabolismo desacelera e o corpo se adapta ao chamado "peso natural", o que provoca um menor dispêndio de calorias no dia a dia, armazenando-as.

10 frutas frescas que enganam a gulosice (e emagrecem)
10 frutas frescas que enganam a gulosice (e emagrecem)
Ver artigo

O estudo em causa analisou o peso de 164 participantes expostos a uma dieta controlada durante 20 semanas. Durante esse período, foi ainda feita a medição da secreção de insulina, das hormonas metabólicas e do gasto total de energia, ou seja, as calorias queimadas.

"Esta análise é o maior estudo sobre a alimentação que existe para provar o 'Modelo de hidratos de carbono e insulina' e proporciona uma nova forma de ver o tratamento contra a obesidade", afirmou o principal investigador David Ludwig.

De acordo com o modelo, "os hidratos de carbono processados que inundam as dietas com baixo teor de gordura aumentam o nível de insulina e, consequentemente, as células adiposas armazenam um maior número de calorias", explica Ludwig.

Com menos calorias disponíveis para o resto do corpo, a fome aumenta e o metabolismo desacelera, gerando um aumento do peso, conclui o investigador.

Durante o estudo, os participantes dividiram-se em três grupos e receberam dietas com quantidades diferentes de hidratos de carbono para que os cientistas pudessem comparar os gastos de energia na hora de queimar calorias.

Vai começar uma dieta? 15 segredos sobre a perda de peso que ninguém comenta
Vai começar uma dieta? 15 segredos sobre a perda de peso que ninguém comenta
Ver artigo

Os resultados demonstraram que o gasto de energia total era significativamente maior na dieta pobre em hidratos de carbono, pois os participantes queimaram cerca de 250 calorias a mais por dia do que aqueles que tinham seguido a dieta com maior ingestão de hidratos de carbono (batatas, arroz, massa, por exemplo).

"Isto traduzir-se-ia na perda de peso de aproximadamente 20 quilos ao fim de três anos", diz a investigadora Cara Ebbeling, citada pela agência de notícias espanhola Efe.

Além disso, segundo o estudo, a diferença na perda de calorias entre as dietas ricas e pobres em hidratos foi muito maior naquelas pessoas com altos níveis de secreção de insulina, com uma média de 400 calorias queimadas por dia.

Com agências

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.