Todos os dias ouvimos falar de crise, de FMI, das dificuldades financeiras que os portugueses estão a enfrentar… Se pensarmos nas famílias numerosas, será ainda mais complicada a gestão orçamental. Como podem ter uma alimentação saudável sem gastar muito dinheiro? É possível fintar a crise e continuar a comer bem?

“Sim, conseguimos”. A frase ficou celebrizada pelo Presidente dos EUA, Barack Obama mas pode muito bem ser adaptada a este artigo. Existem várias soluções que mantêm a qualidade da alimentação e que baixam muito o preço final das compras no supermercado. “Como se vê bem na roda dos alimentos, as necessidades de proteínas são muito baixas e por isso a carne, peixe, queijo não têm de ocupar uma grande parte do cabaz de compras (e os ovos são uma óptima alternativa). O cabaz deve conter legumes, saladas e frutas em abundância, uma boa ração de fornecedores de hidratos de carbono (como o pão, massas, arroz...) e alguns lacticínios”, defende Maria Paes Vasconcelos, nutricionista.

Convém não esquecer que, cada um de nós, precisa, por dia de uma quantidade de carne ou peixe que caibam na palma da mão, rondando os 100 gramas nas mulheres e os 150 gramas nos homens. “A sopa deve estar presente ao almoço e ao jantar. A fruta deve ser consumida entre 2 a 4 peças por dia. Os legumes e as saladas em 1-2 refeições, dependendo do tipo de sopa consumida”, esclarece a nutricionista. É preferível usar um bom óleo vegetal em vez de azeite refinado. A somar a estes conselhos, Maria Paes Vasconcelos relembra que “nunca deve estar mais de três horas sem comer”.

E vai mais longe. “Este é o momento de recuperar velhos e saudáveis hábitos, porque não reunir a família e, todos juntos, dedicarem-se às pequenas actividades domésticas (como arranjar legumes)?”, sugere.

“Comer bem é mais barato”

É o nome de uma campanha criada pela Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação EDP e pela SIC, com o apoio da DECO e Associação Portuguesa de Nutricionistas, com o objectivo de contribuir para a mudança de atitudes e comportamentos alimentares das famílias portuguesas e da população em geral.
O mote da campanha centra-se em dois vectores fundamentais: uma alimentação mais equilibrada e saudável, por menos dinheiro.

“Comer bem e barato é possível”, defende a professora Isabel do Carmo. “Quando falo em comer bem estou a referir-me a várias coisas…”. Mencionando a importância do valor calórico dos alimentos e dos seus nutrientes, indispensáveis para fornecer energia e para a vida celular, Isabel do Carmo enaltece igualmente a necessidade do prazer e do usufruto dos alimentos. “Sentar-se à mesa não é uma obrigação: é mesmo uma alegria…”, assim as pessoas consigam fazer as suas escolhas alimentares, numa boa relação de qualidade/preço.

Para Maria Paes Vasconcelos, “os portugueses com mais experiência de vida e mais anos lembrar-se-ão de outros tempos em que houve escassez de recursos. Poderá ser interessante desafiar as crianças a perguntar aos avós e bisavós quais os pratos habituais, e como eram preparadas as refeições desses tempos difíceis mas que acabaram por passar. Assim poderemos ter mais esperança num futuro com melhores dias.”

No dia 4 de Junho, esta campanha visitará o Largo Cândido dos Reis, em Santarém, das 9h00 às 11h00, onde poderá assistir à confecção de uma receita pelo Chef André. Não falte!

Omolete de alho-francês e cenoura com arroz de espinafres

Receita a 1€ por pessoa (esta e outras receitas podem ser consultadas em www.comerbememaisbarato.com

Ingredientes para 4 pessoas
4 ovos
80g de cebola
120g de alho-francês
40g de salsa
120g de cenoura
160g de arroz
120g de espinafres
40ml de azeite

Modo de confecção

Omolete de alho-francês e cenoura - Descasque, lave e pique metade da cebola e a salsa. Descasque, lave e corte a cenoura em tiras bem fininhas. Lave e corte o alho-francês em tiras. Coza o alho-francês e a cenoura, e depois de cozidos escorra-os bem. Num tacho anti-aderente coloque o ovo mexido, a cebola, a salsa, a cenoura, o alho-francês e o azeite. Espere até ficar com uma consistência firme. Vire com uma espátula e deixe cozinhar um pouco.

Arroz de espinafres - Descasque, lave e pique a restante cebola. Lave e corte os espinafres em pedaços. Coloque a cebola e um pouco de azeite numa panela. De seguida coloque água e quando ferver coloque o arroz e os espinafres e deixe cozer em lume brando, previamente temperado com pouco sal. Sirva num prato a omolete com o arroz de espinafres. Para sobremesa o kiwi em rodelas (cerca de 130g de kiwi por pessoa).

Nota: Pode fazer a sua omolete como se fosse um crepe, rechear com os legumes e enrola-la fazendo um cilindro.

Trocas alimentares precisam-se!

A Dr.ª Maria Paes Vasconcelos sugere-lhe algumas escolhas saudáveis mais económicas.

- Beber água, em vez de sumos ou refrigerantes;
- Comer pão nos lanches, em lugar de bolachas, tostas, pão-de-leite, croissants;
- Preferir manteiga e doce ao fiambre, chourição (já que a proteína virá de outras fontes);
- Optar por azeite extra-virgem e óleo vegetal, em vez de margarina temperada de alho, maionese, ketchup;
- Optar por cozer arroz, batata, massa, leguminosas simples em lugar de batata frita de pacote, ou preparados que incluem arroz ou massa com temperos e molhos;
- Preferir as carnes de cozer e estufar (tendo atenção que têm mais gordura), as aves inteiras (em vez de peitos, bifes ou até frango assado de compra) e peixe congelado (em substituição de peixe fresco);
- Ingerir leite em litro, usando copos de plástico com tampa, em vez de tetrapacks de 2 dl;
- Consumir iogurte caseiro ao iogurte de compra.

Texto: Cláudia Pinto

A responsabilidade editorial e científica desta informação é do jornal

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.