Quantas vezes, ao fazer dieta ou ao procurar fazer uma alimentação mais regrada, começa por cortar com determinados alimentos? Saiba que pode estar a cometer um erro que muito provavelmente irá pôr em causa os resultados e até prejudicar a sua saúde. Se é verdade que alguns alimentos fazem jus à sua má reputação, existem outros que, devido aos benefícios que comportam, devem ser consumidos quase diariamente.

Com a ajuda da nutricionista Ana Maria Oliveira, pegámos na lista negra dos alimentos que são frequentemente abolidos e descobrimos quais deve evitar ou qual é a forma correta de os consumir. Tudo em benefício da sua saúde! Estes são 10 dos alimentos com mais má fama.

1. Carne vermelha

É fundamental na formação dos glóbulos vermelhos devido ao ferro e à vitamina B12. Muito rica em zinco, elemento importante para a maturação sexual. Deve, no entanto, evitar comer carne todos os dias. Uma vez por semana é o suficiente, grelhada ou cozinhada com pouca gordura. Uma porção deve ter cerca de 100 gramas a 120 gramas em média.

2. Feijão 

Muitos portugueses adoram-no. "O feijão e todas as leguminosas são fundamentais na alimentação saudável e deveriam ser consumidos quase diariamente", defende a nutricionista. Ricos em ácido fólico, ferro, zinco, são também uma boa fonte de fibra solúvel. Por isso, favorecem o funcionamento intestinal.

Não comer leguminosas por pensar que engordam é um dos erros a evitar. O ideal é consumi-lo com um pouco de carne, porque a proteína vegetal é incompleta. Veja também a lista de 12 alimentos que são ricos em proteínas vegetais.

3. Batata 

Faz parte de uma alimentação saudável e, mesmo num plano de emagrecimento, a batata não deve ser excluída. É fonte de vitaminas B e C e de hidratos de carbono de absorção lenta que mantêm a glicose a níveis ideais e evita surtos de fome, quando "se fazem mais disparates", diz Ana Maria Oliveira. As batatas fritas são de evitar, pois contêm muita gordura e sal. Assadas ou salteadas com pouco azeite é a melhor forma de as ingerir.

4. Marisco 

Possui ferro, vitamina A, proteínas e zinco, principalmente os bivalves, com especial destaque para as ostras. Tem um baixo teor de gorduras saturadas. Integrar o marisco em pratos com molhos e gorduras é, no entanto, um (mau) hábito a evitar. Também é desaconselhável comer marisco como entrada e a seguir um prato de carne. Numa mesma refeição, o marisco deve substituir o peixe ou a carne.

 5. Ovo

É um alimento extremamente importante. A sua relação com o colesterol "não é linear e depende do estilo de vida da pessoa. É fundamental fazer exercício físico e ter cuidado com o resto do plano alimentar", afirma a nutricionista. A gema é muito rica em ferro. O ovo estrelado é, contudo, de evitar.

Não ingerir ovos e carne à mesma refeição é outra das recomendações. Uma das formas saudáveis de os ingerir é preparar ovos mexidos com um pouco de leite numa frigideira anti-aderente, sem adicionar gordura. Dois ovos por semana é suficiente, embora alguns nutricionistas afirmem que não há problemas em ingerir mais.

6. Azeitonas 

É raro o restaurante que não as tem como couvert. Muito apreciada pelos portugueses, esta é uma oleaginosa que tem vitamina E e alguns antioxidantes na sua composição. Comer muitas de uma só vez é, muitas vezes, um erro que muitos cometem, sobretudo quando se sentam, esfomeados, à mesa. O grande problema das azeitonas é a grande quantidade de sal que contêm.

O ideal é não exceder as seis unidades. "É preferível que as pessoas comam meia dúzia de azeitonas a um paté ou pacote de manteiga com pão, porque dez azeitonas têm 40 calorias e um pacote de manteiga de 15 gramas tem 100 calorias", exemplifica Ana Maria Oliveira.

7. Manteiga 

À semelhança da margarina, tende a ser um alimentos muito rico em sal e gordura. "São totalmente dispensáveis", declara a nutricionista. "Nem pensar utilizar margarina nos cozinhados. Devemos usar sempre azeite", alerta ainda Ana Maria Oliveira. Para os que não prescindem uma uma torrada, a especialista deixa ainda um alerta.

Um pouco de manteiga no pão, mas apenas para indivíduos com alguma atividade física, crianças ou adolescentes com grandes surtos de crescimento, recomenda. Dar preferência às variantes sem sal é um dos comportamentos saudáveis que também deve ser adotado.

8. Chocolate 

Rico em magnésio, tem açúcar e muita gordura devido à manteiga de cacau. Uma tablete de chocolate de leite com 100 gramas tem, em média, 500 calorias. Deve, por isso, evitar ingeri-lo em grandes quantidades, consumindo-o apenas moderamente. "Um quadradinho de vez em quando não faz mal", diz a nutricionista. Prefira o chocolate com elevada percentagem de cacau, pois tem mais antioxidantes.

9. Pão

Os portugueses ingerem-no em excesso. As versões mais brancas são de evitar, assim como o pão embalado de longa duração. Este alimento é ideal ao pequeno-almoço e ao lanche. "A ideia que não se deve comer pão à tarde é errada", refere. Quanto menos sal tiver, melhor. Opte pelo pão integral, mais rico em fibra. Veja também a galeria de imagens com o pão mais saudável.

10. Massas

Tal como o pão, "são erradamente evitados por quem tenta perder peso porque são uma excelente fonte de energia limpa e de hidratos de carbono de absorção lenta que permitem a estabilização da glicémia e o controlo da fome", explica a nutricionista. Possuem vitamina B e magnésio. O ideal é acompanhá-las com legumes salteados em (pouco) azeite e evitar os (muitos) molhos com que habitualmente são servidas.

Texto: Raquel Amaral com Ana Maria Oliveira (nutricionista)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.