Uma 'startup' criada por dois portugueses para incentivar o consumo diário de vegetais e frutas através de saquetas em pó anunciou ter recebido um investimento de três milhões de euros.

O dinheiro servirá para financiar a transformação das saquetas que contêm os batidos em pó de apenas recicláveis para compostáveis, disse à Lusa Ricardo Vice Santos, cofundador e diretor de negócio da 'startup' , que criou em conjunto com Tomás Froes.

Nem pense em guardar estes 10 alimentos no frigorífico
Nem pense em guardar estes 10 alimentos no frigorífico
Ver artigo

"Não queríamos criar mais plástico e depois de recebermos este investimento queremos investir em compostáveis", explicou o executivo, que segue uma alimentação vegana e disse que a sustentabilidade é uma paixão sua. O aumento dos custos de produção das saquetas, que passarão a ser feitas com celulose, será assim absorvido pela empresa.

Entre as entidades que lideram a ronda de investimento (3,4 milhões de dólares) estão a NextView Ventures, a LocalGlobe, a Kairos Ventures, a Techstars, a Max Ventures e vários executivos da gigante alimentar Danone.

A empresa foi fundada em 2018 com sede em Nova Iorque e escritório em Lisboa, onde está grande parte da equipa de desenvolvimento do produto, sendo que a empresa tem neste momento 20 funcionários.

A kencko utiliza um método similar à tecnologia que permite à NASA enviar alimentos para o espaço, congelando e desidratando vegetais e frutas biológicas sem perda de nutrientes nem necessidade de aditivos. Os sabores incluem cinco ou seis ingredientes, como o "Coral", que tem beterraba, maçã, cenoura, laranja, manga e gengibre, e o consumidor pode juntar água ou leite.

"A missão é ajudar as pessoas a terem uma nutrição melhor", resumiu Ricardo Vice Santos, que foi o responsável pela expansão internacional do Spotify entre 2011 e 2014 e depois fundou a Roger Talk nos Estados Unidos.

O modelo de negócio da kencko baseia-se em subscrições online, sendo o ideal a entrega de caixas de 20 saquetas a cada 4 semanas por 60 dólares. O consumidor pode optar por outra periodicidade e a primeira caixa inclui uma garrafa reutilizável para beber os batidos.

Ricardo Vice Santos disse que a empresa alcançou "milhares de subscritores" antes mesmo de fazer esforços de marketing, tendo estado mais focada no desenvolvimento do produto e na construção da experiência.

Com vegetais e frutas vindos de várias partes do mundo, o embalamento é feito na Alemanha e as caixas de cartão são produzidas em Portugal, de onde seguem para os Estados Unidos.

Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Ver artigo

O responsável frisou que Califórnia e Nova Iorque são mercados bastante interessantes, mas não os únicos onde a proposta da empresa pode ter sucesso. "Há outros sítios mais contra-intuitivos onde temos notado bastante aderência, com baixo custo de aquisição porque há menos ofertas deste tipo", explicou, nomeando Texas e Flórida como dois estados onde a kencko está a vender bem.

Illinois e Nebraska são outros exemplos: "não há tanta gente com capital disponível mas como há menos oferta nestes mercados e a kencko entrega em todo o lado, temos bastante interesse porque há pouca gente a ir atrás destas audiências".

A ideia para as saquetas da kencko surgiu quando o cofundador Tomás Froes foi diagnosticado com gastrite aguda e descobriu que uma dieta baseada em frutas e vegetais permitia substituir os medicamentos. A necessidade de uma solução conveniente para consumir a dose diária de frutas e vegetais levou-o à ideia da nutrição saudável em pó.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.