O que é a sépsis e o choque séptico?

A sépsis é uma inflamação sistémica que surge como uma resposta aguda do sistema imunitário a uma infeção grave generalizada. É amplamente reconhecida como uma das principais causas de longos períodos de internamento hospitalar e de morbilidade e mortalidade em todo o mundo – a sépsis causa uma morte a cada 3 ou 4 segundos. Estima-se que, anualmente, existam 27 a 30 milhões de casos em todo o mundo. A maioria dos microrganismos pode causar uma infeção que origina a sépsis, incluindo bactérias, fungos, vírus e parasitas que, em 80% dos casos, são adquiridos fora do âmbito hospitalar. Mas também pode ser causada por infeções pelo vírus da gripe, dengue e outros patógenos altamente transmissíveis, como vírus do ébola ou febre amarela.

A sépsis pode ser fatal: os conselhos de uma médica para diminuir o risco
A sépsis pode ser fatal: os conselhos de uma médica para diminuir o risco
Ver artigo

Este processo inflamatório pode dar origem ao choque séptico que ocorre quando a pressão arterial do doente permanece baixa e não é possível adequar o fluxo de sangue para os órgãos e tecidos, apesar do tratamento intensivo. Sem tratamento, a maioria das pessoas com choque séptico acaba por morrer. Mesmo com tratamento, o risco de morte é de 51%. Tanto a sépsis como o choque séptico representam graves problemas de saúde pública, comparáveis ao acidente vascular cerebral (AVC) e ao enfarte agudo do miocárdio. Sabe-se que a sua incidência está a aumentar, cerca de 1,5% ao ano, assim como a gravidade dos casos, e que em Portugal 22% dos internamentos em unidades de cuidados intensivos são derivados à sépsis adquirida na comunidade e que estes casos originam uma mortalidade hospitalar global de cerca de 40%, três vezes superior à dos casos por AVC.

Mesmo após a alta hospitalar, as consequências da sépsis podem permanecer

Quem está em risco?

Qualquer pessoa com uma infeção pode desenvolver sépsis, no entanto existem grupos que apresentam maior risco, como recém-nascidos, idosos, grávidas, doentes com cancro, que normalmente fazem medicação preventiva porque o seu sistema imunitário está debilitado, e pessoas com doenças crónicas, como a diabetes.

médica Eleonora Bunsow, especialista em Microbiologia Clínica e Doenças Infeciosas
Eleonora Bunsow, médica especialista em Microbiologia Clínica e Doenças Infeciosas créditos: Direitos Reservados

Quais os sintomas?

Parte dos sintomas podem manifestar-se dependendo do tipo e do local da infeção inicial. Grande parte das pessoas apresenta sintomas de febre, podendo ter calafrios e fraqueza. À medida que a infeção piora, pode verificar-se frequência respiratória e/ou cardíaca rápidas, pele manchada ou sem cor por causa do fluxo sanguíneo reduzido, menor frequência nas idas à casa-de-banho e urina em quantidades menores, fala arrastada ou confusão e tremor extremo ou dor muscular. O fluxo sanguíneo reduzido pode levar à morte dos tecidos, incluindo órgãos vitais, como rins, pulmões, coração e cérebro.

Todos os efeitos da sépsis resultam numa bola de neve de complicações que vão comprometendo o funcionamento dos órgãos

Como é feito o diagnóstico?

Habitualmente, os sintomas são indicativos da infeção. A confirmação do diagnóstico é feita através de uma amostra de sangue, com o propósito de detetar a existência de bactérias na corrente sanguínea, evidência de um número anormal de glóbulos brancos e outra infeção que possa estar a causar a sépsis. Neste último caso, os profissionais de saúde colhem amostras de líquido ou tecido. A par disto, outros testes podem ser realizados, desde radiografias ao tórax, ultrassonografia, tomografia computorizada (TAC) e ressonância magnética, para detetar a fonte da infeção.

Homem quase morreu depois de contrair sépsis por roer as unhas
Homem quase morreu depois de contrair sépsis por roer as unhas
Ver artigo

Por que motivo esta doença é tão letal?

Todos os efeitos da sépsis resultam numa bola de neve de complicações que vão comprometendo o funcionamento dos órgãos. A diminuição da pressão arterial provoca, igualmente, a diminuição do fluxo de sangue para os órgãos vitais. Neste sentido, o coração tenta compensar trabalhando mais, aumentado o ritmo cardíaco e o volume de sangue bombeado, provocando um enfraquecimento do coração, com menos sangue a chegar aos tecidos e, consequentemente, a morte dos mesmos. Os rins excretam pouca ou nenhuma urina e os produtos metabólicos de excreção acumulam-se na corrente sanguínea e a função pulmonar piora porque os vasos sanguíneos nos pulmões vazam líquido, que se acumula, causando dificuldade respiratória.

O diagnóstico atempado e o tratamento adequado fazem uma diferença crucial, no que toca ao prognóstico do doente com sépsis. De facto, as hipóteses de sobrevivência vão diminuindo drasticamente consoante se atrasa o início do tratamento. Por essa razão, a sépsis e o choque sético são combatidos imediatamente através de antibióticos. Se um doente iniciar uma terapêutica antimicrobiana na primeira hora de diagnóstico, as hipóteses de sobrevivência rondam os 80%, mas esta percentagem desce 7,6% por cada hora seguinte. Contudo, se um doente receber inicialmente um tratamento antimicrobiano inadequado, tem cinco vezes menos probabilidades de sobreviver. A microbiologia desempenha um papel vital em todo o processo de tratamento da sépsis, em particular no que diz respeito a algumas das recomendações mais cruciais: rastreio de rotina dos doentes, diagnóstico e terapêutica antimicrobiana.

É possível preveni-la? 

Existem duas formas básicas de prevenção: uma delas é a prevenção da transmissão de microrganismos e em consequência da infeção e outra é a prevenção da evolução de uma infeção para sépsis. Isto é possível através de cuidados básicos de higiene e segurança, como a higiene das mãos, a preparação segura dos alimentos e a adoção de uma alimentação saudável, e respeitando o calendário de vacinação.

Pessoas jovens tendem a demonstrar uma recuperação melhor do que pessoas com mais idade
Como são os nossos órgãos e outras partes do corpo ao microscópio
Como são os nossos órgãos e outras partes do corpo ao microscópio
Ver artigo

Uma vez recuperado, quais as sequelas?

Mesmo após a alta hospitalar, as consequências da sépsis podem permanecer. Os efeitos a longo prazo incluem danos permanentes nos órgãos afetados. Incapacidade física e cognitiva, estados de tristeza, dificuldade em deglutir, fadiga e fraqueza muscular, dificuldade em dormir, problemas de memória, dificuldade de concentração, ansiedade, são alguns dos sintomas que se mantêm para o resto da vida.

É possível recuperar por inteiro? Sem sequelas?

A sépsis é uma patologia de tempo dependente em que, a cada hora que passa, aumenta em mais de 7% a probabilidade de morte do doente. Portanto, quanto mais precoce é a sua deteção, maior é a probabilidade de sobrevivência do doente. As sequelas vão depender do estado do doente antes da infeção, da gravidade da mesma, do tempo de internamento e do local em que ocorreu a infeção. Pessoas jovens tendem a demonstrar uma recuperação melhor do que pessoas com mais idade. Para uma melhor recuperação, inclusive das sequelas, as medidas passam por uma nutrição adequada, fisioterapia e aconselhamento psicológico.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.