A infeção generalizada terá sido desencadeada pelo facto de Luke Hanoman roer as unhas compulsivamente. O britânico, pai de duas crianças, começou a sentir-se mal depois de ter mordido a pele inferior da unha, mas relacionou todos os sintomas com uma gripe.

A sépsis é uma das doenças mais mortais, mas praticamente ninguém a conhece
A sépsis é uma das doenças mais mortais, mas praticamente ninguém a conhece
Ver artigo

Para este homem de 28 anos, roer as unhas era um hábito diário e uma forma de controlar "os nervos".

No entanto, o dedo começou a mostrar sinais de inflamção, estando cada vez mais inchado. Foi nessa altura que resolveu ligar para uma linha de saúde, que lhe deu 24 horas para se dirigir a um serviço de urgência.

O britânico esteve quatro dias sob observação, até que os médicos conseguiram fazer o diagnóstico final: sépsis. "Os médicos disseram-me que tenho muita sorte em estar vivo", contou ao jornal britânico The Mirror.

A sépsis é causada por uma resposta imunitária do corpo a uma infeção. É mais comum que a infeção seja de origem bacteriana, mas pode também ser causada por fungos, vírus ou parasitas como os protozoários.

Estas são as 10 principais causas de morte em Portugal
Estas são as 10 principais causas de morte em Portugal
Ver artigo

Mais mortal que o AVC ou alguns tipos de cancro

A séptis pode manter-se no organismo mesmo depois da infeção primária desaparecer. É também uma das principais causas de morte em Unidades de Cuidados Intensivos.

A sépsis mata mais pessoas por ano no Reino Unido do que o cancro de intestino, da mama e da próstata juntos, escreve a BBC. Em Portugal esta patologia tem uma mortalidade três vezes superior à dos doentes internados com Acidente Vascular Cerebral.

Dados portugueses compilados pela Direção-geral da Saúde (DGS) indicam que 22% dos internamentos em unidades de cuidados intensivos têm por causa a sépsis adquirida. Estes casos originam uma mortalidade hospitalar global de cerca de 40%, ou seja quase três vezes superior à mortalidade dos casos de AVC internados no ano de 2007.

A mortalidade das formas mais graves, nomeadamente do choque séptico, atinge os 51%.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.