"Foram notificados mais de 21 milhões de novos casos, o maior número de casos semanais desde o início da pandemia", informou a OMS no relatório epidemiológico semanal sobre a COVID-19.

A agência observou que o número de novos casos cresceu 5% na última semana até domingo, em comparação com um aumento de 20% na semana anterior.

"Um aumento mais lento na incidência de casos foi observado globalmente", completou a OMS.

Quase 50.000 novas mortes também foram registadas, semelhante à semana anterior, segundo a entidade, que ressaltou que a variante ómicron continua a ser a dominante no mundo.

"A epidemiologia atual do SARS-CoV-2 é caracterizada pelo domínio da variante ómicron em escala global, a prevalência decrescente da variante delta e uma circulação muito baixa das variantes alfa, beta e gama", explicou.

"Países que tiveram um rápido aumento nos casos de ómicron em novembro e dezembro de 2021 tiveram ou estão a começar a ver declínios nos casos", acrescentou.

No entanto, "com base nas evidências atuais, o risco geral associado à variante ómicron permanece muito alto".

A OMS especificou que nas sequências de amostras ecolhidas nos últimos 30 dias, a ómicron representou 89,1% dos casos, com 10,7% dos casos da variante delta, outrora dominante.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.