O amianto é “uma temática que assusta muita gente, mas que, de uma forma geral, é mal abordada, afirmou hoje José Delgado, presidente da secção regional sul da OET portuguesa, durante o III Congresso Lusófono de Segurança e Saúde Ocupacional e Ambiental, que decorre na cidade da Praia.

“Muitas vezes olha-se para a coisa como se fosse tudo igual e, no amianto, nada é igual, cada caso é um caso”, prosseguiu o engenheiro técnico, para quem a resposta nesta questão “é a prevenção”.

Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Ver artigo

Segundo José Delgado, “o amianto mata quando não há prevenção” e, por esta razão, “o empregador tem de fazer a prevenção e proteger a saúde dos seus trabalhadores”. “A produtividade e a segurança são parceiros”, sublinhou.

Durante a sua intervenção, este engenheiro apresentou imagens de bons e maus exemplos de remoção de placas de fibrocimento (com amianto), com as melhores a apresentar trabalhadores devidamente protegidos e a mostrar processos que evitam o maior dos perigos do amianto: a libertação das partículas.

Os piores exemplos partilhados com a assistência do congresso passaram por trabalhadores sem qualquer proteção, a manusear placas com amianto e a cortá-las, com a provável libertação para a atmosfera de partículas, as quais são perigosas para a saúde.

O engenheiro deixou ainda críticas às características dos coordenadores de segurança que, segundo disse, “qualquer um pode ser”.

“Também fazemos lá [em Portugal] muitas asneiras”, ironizou, recordando que o fibrocimento “existe muito em Cabo Verde e em todos os países de expressão portuguesa”.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.