Já estão abertas as candidaturas à 4ª Edição do Prémio Curtas – Esclerose Múltipla, uma iniciativa dirigida a estudantes das áreas do cinema e audiovisual ou amadores com o gosto pela área cinematográfica, entre os 18 e 35 anos, que queiram fazer uma curta-metragem e documentar como é viver com Esclerose Múltipla.

O Prémio Curtas contempla a possibilidade de existir um vencedor na categoria Escolha do Júri (2.000 euros) e outro na Escolha do Público (1.500 euros), resultado da votação feita pelo público no site do Prémio Curtas, http://www.premioemcurtas.pt ou que o vencedor nas duas categorias seja o mesmo. Neste caso ao vencedor único será atribuído o valor dos dois prémios (3.500 euros).

O júri desta edição é composto por Mário Gabriel Bonito, representante do ICA; Cristina Campos, Diretora Geral da Novartis; Gonçalo Galvão Teles, realizador português; Teresa Tavares, atriz portuguesa; Joaquim Pinheiro, médico neurologista; e representantes das três Associações de Doentes com Esclerose Múltipla: ANEM, SPEM e TEM.

Esta iniciativa é promovida pela Novartis, em parceria com o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), e conta com o apoio de doze Escolas: Escola de Tecnologias, Inovação e Criação (ETIC); Escola Superior de Artes e Design (ESAD); Escola Superior de Artes e Design do Instituto Politécnico de Leiria; Escola Superior de Comunicação Social (ESCS); Escola Superior de Media Artes e Design (ESMAD) do Instituto Politécnico do Porto; Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC); Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa; Instituto de Criatividade, Artes e Novas Tecnologias (Restart); Escola Superior de Tecnologia de Abrantes do Instituto Politécnico de Tomar; Universidade de Aveiro; Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; Universidade Lusófona.

As candidaturas estão abertas até ao final do dia 28 de abril de 2017. Os vencedores serão conhecidos por altura do Dia Mundial da Esclerose Múltipla, que se assinala a 31 de maio.

O que é a esclerose múltipla?

A esclerose múltipla afeta cerca de 5.000 portugueses. Em todo o mundo são mais de 2,3 milhões de pessoas com esta doença inflamatória crónica do sistema nervoso central que se manifesta em jovens adultos, entre os 20 e os 40 anos de idade, e que interfere com a capacidade do doente em controlar funções como a visão, a locomoção, e o equilíbrio.

As mulheres têm duas vezes mais probabilidades de desenvolver esta doença do que os homens. A esclerose múltipla tem um impacto significativo na qualidade de vida dos doentes e das suas famílias.

Mais de 90% das pessoas com esclerose múltipla queixam-se de fadiga, constituindo um dos sintomas com maior impacto na qualidade de vida e produtividade dos doentes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.