O Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) disse hoje que se registou “um incidente” que resultou em “ferimentos ligeiros” num médico, após uma alegada agressão que terá ocorrido na urgência do hospital de Vila Real. A administração confirmou, em comunicado, que se registou “um incidente no dia 04 (terça-feira) envolvendo um médico no serviço de urgência da unidade hospitalar de Vila Real, o qual resultou em ferimentos ligeiros no profissional”.

Em consequência deste incidente, acrescentou, a segurança do centro hospitalar “sanou de imediato o conflito e acionou as autoridades (PSP), que se deslocaram ao local e tomaram conta da ocorrência”.

Não obstante “ser um caso isolado”, o conselho de Administração refutou “este tipo de conduta”, manifestou a “sua solidariedade” para com o profissional e informou que “disponibilizou o apoio necessário”.

A agência Lusa contactou a PSP que confirmou ter sido chamada na terça-feira à noite à urgência do hospital, tomando conta da ocorrência e participando o caso ao Ministério Público. A Polícia referiu que, quando os agentes chegaram ao local, o alegado agressor já não se encontrava no hospital.

Alguns órgãos de comunicação social avançaram hoje que a alegada agressão, designadamente um murro na cara do médico, terá ocorrido depois da morte da mulher do suspeito, naquela unidade hospitalar. Nas últimas semanas têm sido noticiados vários casos de agressões a profissionais de saúde em hospitais.

O Fórum Médico, que reuniu no dia 29 de janeiro, em Lisboa, decidiu que vai responsabilizar a ministra da Saúde por inação por todos os casos de violência que aconteçam no SNS, bem como pedir reuniões urgentes ao primeiro-ministro, ao Presidente da República, aos líderes parlamentares da Assembleia da República e às comissões parlamentares de Saúde e de Assuntos Constitucionais. O Fórum Médico agrega a Ordem dos Médicos, os sindicatos e várias associações e sociedades médicas.

A violência contra profissionais de saúde vai ser considerada um crime de investigação prioritária através da próxima proposta de lei de política criminal, anunciou no final de janeiro o Ministério da Saúde.

Em articulação com o Ministério da Justiça, a intenção é consagrar como crime de prevenção e de investigação prioritária as agressões praticadas contra o sistema de saúde e todos os seus profissionais, afirmou o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, durante a apresentação do Plano de Ação para a Prevenção da Violência no Setor da Saúde.

Segundo António Sales, o plano prevê vários níveis de ação (nacional, regional e local) e funciona em paralelo com o Gabinete de Segurança já criado por despacho da ministra da Saúde.

O plano, que ficará em consulta pública no mês de fevereiro, prevê também a criação de um serviço de atendimento no Centro de Contacto SNS 24 para profissionais de saúde com “resposta célere e eficaz de apoio psicossocial, 24 sobre 24 horas”.

As instituições do Ministério da Saúde estão ainda a colaborar na avaliação e diagnóstico das condições de segurança dos serviços, bem como promover medidas de prevenção de violência, a par de apoio jurídico e psicossocial aos profissionais vítimas de agressão.

“Um ato de violência contra um profissional de saúde fere o Estado, também nos fere a todos, enquanto cidadãos e enquanto sociedade”, vincou.

O governante lembrou que “os casos de violência contra profissionais de saúde não são infelizmente de agora. Tal e qual como também não são de agora as medidas preventivas, protetoras e de intervenção”. Com Lusa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.