“Há uma forte greve no Hospital de São José e nos outros hospitais de Lisboa”, disse à agência Lusa Carlos Moreira, do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap), que assegurou um piquete de greve junto às consultas externas do hospital, que integra o Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Estes são os 15 problemas de saúde mais embaraçosos
Estes são os 15 problemas de saúde mais embaraçosos
Ver artigo

Na porta de entrada das consultas externas está fixado um comunicado do hospital que alerta os utentes para a possibilidade de haver “algumas perturbações no funcionamento das consultas” devido à greve dos trabalhadores do setor da saúde.

Alguns utentes contactados pela agência Lusa disseram que não sabiam da greve marcada para hoje e quinta-feira, mas adiantaram que não demoraram muito tempo a ser atendidos. Outros foram atendidos à hora marcada, como Ana Santos que já tinha feito o penso e esperava apenas a ambulância para a levar de regresso a casa.

A confusão maior era junto às máquinas de retirar a senha para as consultas de especialidade. “Onde está a senhora que costuma estar aqui para nos ajudar?” era a pergunta mais ouvida na sala de entrada das consultas externas, onde a maioria dos utentes eram idosos.

Sobre os impactos da greve neste hospital, Carlos Moreira disse que “há um atraso nas consultas”, explicando que as consequências não são maiores porque estão a ser cumpridos os serviços mínimos.

“Os serviços não encerram porque há sempre colegas a assegurar o serviço, mas obviamente há mais demoras e algumas especialidades estão a ter dificuldades porque o número de trabalhadores que tem de apresentar-se ao serviço é [decidido] consoante os rácios que existem e, portanto, há serviços em que a demora está a ser maior do que noutros”, disse o sindicalista.

Carlos Moreira adiantou que todos os trabalhadores que “não têm que prestar os serviços mínimos estão a aderir” à paralisação, que visa exigir a aplicação do regime de 35 horas de trabalho semanais para todos os trabalhadores, progressões na carreira e o pagamento de horas extraordinárias vencidas e não liquidadas.

A nível nacional, “há uma adesão forte à greve, na ordem dos 70 a 80%”, disse, adiantando que “há alguns serviços fechados, nomeadamente no Hospital de Portimão”.

“Infelizmente, há também alguns hospitais e algumas chefias que estão a procurar que os trabalhadores não façam greve”, disse o sindicalista, denunciando que no “Hospital da Figueira da Foz houve estagiários que foram substituir trabalhadores que estão a fazer greve”.

“As administrações hospitalares têm que cumprir aquilo que são as obrigações legais”, defendeu Carlos Moreira.

Sobre os números de adesão à greve, o sindicalista afirmou que “são altamente satisfatórios” e que revelam “a insatisfação” dos trabalhadores para “com as entidades patronais e sobretudo com o Governo”.

Para o sindicalista, o “Governo deve olhar para os seus trabalhadores com sentido de igualdade”, considerando que “não faz sentido que haja dois colegas com horários diferentes a receber o mesmo salário”.

A greve de dois dias, que arrancou hoje, foi convocada pelo Sintap e abrange todos os trabalhadores da saúde, exceto médicos e enfermeiros, dos serviços tutelados pelo Ministério da Saúde, como hospitais ou centros de saúde.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.