As autoridades italianas, entre elas o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, insistem que o regresso do país às suas atividades tem de ser gradual.

Momento adequado

O momento adequado para retomar as atividades poderia ser quando o número de novas infecções for zero, ou próximo de zero, em todo o território. Para especialistas, este momento poderia acontecer entre 5 e 16 de maio, segundo a região.

Em Trentino-Alto Adige, extremo norte, este limite poderia ser a 6 de abril; no Valle de Aosta (norte), a 8 de abril; em Puglia, no dia seguinte; e em Lazio, a 16 de abril, segundo estimativas do Instituto Einaudi de Economia e Finanças (Eief) publicadas hoje pelo jornal "Il Corriere della Sera".

Nas regiões do Norte, as mais afetadas pela doença, este nível deve ser alcançado a 14 de abril, no Vêneto; a 22 de abril, na Lombardia; e a 28 de abril, na Emiglia-Romana. A Toscana concluiria o ciclo a 5 de maio. A incerteza persiste em algumas regiões, como a Campânia.

Os testes, um elemento-chave

O presidente do Conselho Superior de Saúde, Franco Locatelli, opina que, para reativar o país, é necessário realizar testes serológicos e comprovar a presença de anticorpos no sangue, de forma a identificar como o coronavírus se propagou, e contar com informações relevantes sobre a "imunidade de grupo", elemento-chave para proteger toda a população.

"A prioridade é a saúde, mas deve ser compatível com os aspectos económicos, para evitar uma crise ainda mais difícil", assinalou hoje o jornal romano "Il Messaggero".

A proposta do presidente da região do Vêneto, Luca Zaia, é estudada com atenção. O líder político quer introduzir uma "autorização de circulação" que certifique, com um teste serológico rápido, que um indivíduo não pode transmitir a doença.

"A experiência científica diz-nos que é um enfoque correto", explica Maurizio Sanguinetti, especialista em doenças infecciosas da Fundação Hospital Gemelli, de Roma. O cientista considera que é possível usar uma máquina, que o hospital deverá receber na próxima semana, "que realiza cerca de 1,4 mil testes por dia", afirmou.

Para o estudioso, é necessário combinar testes serológicos, que detetam anticorpos específicos, e testes moleculares, que procuram a presença do vírus no corpo.

"Deve-se levar em conta que há um intervalo de cinco dias durante o qual os anticorpos não se desenvolveram e o vírus pode estar presente", adverte o estudioso, que pede a combinação das duas técnicas para obter resultados mais confiáveis.

O calendário

O Conselho de Ministros, que se reunirá esta semana, deverá aprovar o confinamento até ao Domingo de Páscoa, 13 de abril, e deverá indicar, também, o plano a ser seguido se o número de pacientes diminuir de forma duradoura.

A reativação do país vai ser lenta, gradual, e tentará evitar-se a qualquer custo que os "positivos" se desloquem pela península, advertiram os cientistas, segundo quem um novo surto poderia gerar uma nova emergência nacional.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.