"Tem de haver um recuo por parte da Administração até pela dimensão do apoio que estamos a ter: os doentes transplantados já fizeram uma petição ao Presidente da República e ao Governo e a nível interno os cirurgiões estão todos unidos contra o Conselho de Administração. Só têm uma alternativa, têm de recuar", afirmou o cirurgião, sublinhando total incompreensão sobre a posição do conselho.

"Ou é incompetência ou não sei classificar, talvez estejam a levar à letra o que o Governo, ou pelo menos o que o Ministério da Saúde defendeu no mês passado sobre fazerem do Curry Cabral um hospital covid. Agora, até acho que já nem é necessário fazer isso e, por isso, criámos um plano alternativo e independente sem covid", disse alertando que há outros doentes que precisam de ajuda urgente.

"Nós só operamos doentes oncológicos prioritários e transplantação e queríamos criar um espaço totalmente independente para continuarmos a nossa atividade - em termos mais reduzidos - mas a continuarmos a operar todos aqueles doentes que correm perigo de vida e que têm de ser operados", sublinhou o diretor que apresentou a demissão na quarta-feira à noite

"Eu demiti-me ontem porque o Conselho de Administração quer levar para a frente um plano que inviabiliza a criação de um circuito totalmente independente aqui no Curry Cabral e não querem recuar e se não recuam não é possível criar um circuito alternativo e independente, para os doentes que não são covid", disse à Lusa Américo Martins frisando que a mudança poderia ser feita sem custos e em pouco tempo.

"Em três horas seria executado esse plano alternativo. Basta fechar uma porta e mudar o centro de diagnóstico covid para um espaço que está vazio ao lado da infecciologia. Em três horas faz-se essa mudança sem qualquer custo", referiu acrescentando que a administração deveria mudar de posição.

O Hospital Curry Cabral admitiu hoje cancelar a transferência dos serviços de transplante hepático, devido ao abrandamento da evolução da covid-19, mas informou não ter recebido o pedido de demissão do diretor daquele serviço.

“A covid-19 está a ter uma evolução lenta e controlada, bastante mais lenta e controlada do que se estava a imaginar há uma semana, o que significa dizer que a necessidade de transferência de serviços pode, inclusivamente, não se verificar”, disse à Lusa fonte oficial do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC).

 A este respeito, a Ordem dos Médicos (OM) tinha alertado hoje para a falta de resposta aos doentes prioritários não covid-19, que diz estarem a ser relegados para segundo plano, em áreas que “não podem esperar” como a oncologia ou os transplantes.

Numa nota hoje divulgada, a OM afirma que os indicadores de que teve conhecimento sobre o excesso de morbilidade e mortalidade, assim como algumas situações concretas de doentes, mostram que os doentes não covid-19, “por falta de estratégia e organização da tutela, estão a ser relegados para segundo plano em patologias que não podem esperar”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.