Os números fazem parte do último boletim epidemiológico difundido pelo Ministério da Saúde, que dá conta de uma taxa de incidência da doença no país, que atravessa o seu momento mais critico da pandemia, de 180 mortes e 6.682 casos por 100 mil habitantes.

Estes dados confirmam o Brasil como o segundo país em todo o mundo com mais mortes devido à covid-19, depois dos Estados Unidos, e o terceiro com mais casos, depois da nação norte-americana e da Índia.

Além disso, o Brasil voltou hoje a ser a nação com mais mortes registadas em 24 horas, segundo a plataforma worldometers.

São Paulo, o Estado mais rico e populoso do país, continua a ser o foco da pandemia no Brasil, como 2.769.360 casos de infeção pelo novo coronavírus e 89.650 vítimas mortais desde o primeiro diagnóstico, em fevereiro do ano passado.

Pela primeira vez em 81 anos, a pandemia fez cair em um ano a expectativa média de vida dos ‘paulistas’, de 76,4 para 75,4 anos, segundo uma investigação divulgada pela Fundação Seade.

“Essa foi a primeira vez, desde o início da série histórica, em 1940, que houve queda no aumento da esperança de vida”, afirmou o demógrafo da Fundação Seade, Carlos Eugénio Ferreira, um dos autores do estudo, citado pelo jornal Folha de S.Paulo.

Segundo o estudo, o rápido aumento da taxa de mortalidade com a expansão da pandemia de covid-19 em todo o território paulista afetou diretamente os padrões demográficos de longevidade conquistados até então.

Num momento em que a vacinação contra a covid-19 avança a um ritmo lento no Brasil, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, anunciou hoje que o Ministério da Saúde negocia a compra de mais 100 milhões de doses do imunizante da Pfizer.

“O Ministério da Saúde está a negociar a compra de um novo lote com mais 100 milhões de doses da vacina da Pfizer. A negociação começou há cerca de 20 dias e a pasta busca dar celeridade ao processo”, escreveu Faria na rede social Twitter.

Até ao momento, a tutela da Saúde brasileira tem um contrato firmado para aquisição de 100 milhões de doses do antídoto Pfizer, mas a maior parte deve ser entregue apenas no segundo semestre deste ano.

Apesar do grave momento que o país atravessa, uma juíza brasileira suspendeu quatro decretos da prefeitura do Rio de Janeiro, que impunham medidas restritivas na cidade.

“Nem mesmo uma pandemia gravíssima como a vivenciada na atualidade autoriza o cerceamento da liberdade individual de cada cidadão carioca, ao argumento da possibilidade de transmissão acelerada da doença ou mesmo da falta de vagas em hospitais”, diz a decisão da juíza Regina Lúcia Chuquer, da 6ª Vara de Fazenda Pública.

Entre as regras, agora suspensa, encontram-se a proibição de permanência em via pública entre as 23:00 e as 05:00, banhos de sol nas praias, ou o funcionamento de bares e restaurantes até às 22:00, assim como casas de espetáculos de divertimento noturno, segundo a imprensa local.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.031.441 mortos no mundo, resultantes de mais de 141,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.