Na piscina (em qualquer altura) ou na praia (quando o calor aperta), é inevitável suspirar por mergulhos frescos e revigorantes. Para além de ser divertido, nadar faz bem. «A natação ajuda a aumentar a resistência cardiovascular e cardiorespiratória e reforça a circulação de oxigénio por todo o corpo, ao mesmo tempo que fortalece braços, pernas, costas, ombros e trabalha os músculos abdominais e dorsais», sublinha Duarte Galvão, fisioterapeuta e professor de natação.

Benefícios para todos

A grande vantagem da natação face a outras modalidades é que não existe impacto. «Como estamos dentro de água, temos a força da sustentação da água, o que minimiza o perigo de lesões articulares e de algum impacto que possa haver a nível a coluna lombar», afirma o fisioterapeuta. Esta é, por isso, uma modalidade indicada para pessoas de diversas idades, com pesos e constituições físicas muito diferentes.

«A corrida e o step, por exemplo, são actividades desaconselhadas a pessoas mais pesadas, enquanto a natação está indicada para toda a gente», sublinha. Ao nadar, trabalhamos simetricamente o corpo e temos um trabalho generalizado que engloba toda a parte muscular. Para além disso obriga-nos a uma respiração cíclica, por isso, ensina-nos a respirar e a coordenar os movimentos», explica o fisioterapeuta.

Aquecer é essencial

Como a natação é uma atividade mais lúdica, sobretudo em férias, muitas vezes o aquecimento fica esquecido. «A natação provoca movimentos corporais que não fazemos no dia a dia e se os músculos não estiverem preparados podem ocorrer cãibras», esclarece Duarte Galvão. «Principalmente no mar que normalmente está muito mais frio do que a temperatura ambiente, havendo um choque térmico elevado», sublinha.

«Os músculos contraem-se automaticamente, para contrariar o frio repentino, e facilmente ocorrem cãibras e dores musculares», acrescenta ainda. Para o evitar, devemos beber muita água e fazer um ligeiro aquecimento antes de irmos nadar. Se tiver uma cãibra, deve então procurar uma zona onde tenha pé, sair da água e alongar e massajar o músculo afectado.

Mergulhos perigosos

Os principais riscos associados ao mergulho são os traumatismos cranianos ou vertebrais que resultam do facto de serem realizados em águas pouco profundas ou devido ao embate em obstáculos subaquáticos. «Os saltos para a água em mortal ou andar às cavalitas são brincadeiras que podem resultar em quedas especialmente perigosas», alerta Duarte Galvão. Verifique sempre a profundidade e não salte para águas escuras, pois podem não ser visíveis nadadores ou obstáculos submersos.

Veja na página seguinte: Os cuidados a ter com as saídas de água

Os cuidados a ter com as saídas de água

Na piscina, tenha atenção à proximidade das saídas de água, pois a força de sucção é suficiente para prender partes do corpo ou o cabelo e manter a cabeça debaixo de água. Duarte Galvão chama ainda a atenção para a importância de se respirar correctamente. De forma cíclica e regular. «Uma respiração errada cansa muito mais e pode dar origem a situações de cansaço súbito dentro de água», adverte.

«Na natação, é necessário coordenar a respiração com os movimentos. Por exemplo, ao nadar de bruços, devemos inspirar sempre que se tira a cabeça debaixo de água e expirar quando mergulhamos», aconselha. Entrar na água muito depressa quando está muito calor ou de estômago cheio também é desaconselhável pois o choque térmico pode causar uma paragem cardíaca.

Texto: Raquel Amaral com Duarte Galvão (fisioterapeuta)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.