Uma pessoa assexual é alguém que não tem interesse no ato sexual com o outro, o que não impede a formação de laços afetivos e românticos. Nada tem a ver com o celibato; visto esta ser uma escolha; ou com o Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo (TDSH), que é uma disfunção sexual caraterizada pela ausência constante para a atividade sexual acentuando dificuldades interpessoais e sofrimento. E não, não são desprovidas de sexualidade, até porque esta não se limita à atração sexual.

Infelizmente ainda é um conceito em desenvolvimento; tal como ser uma questão de orientação sexual; visto que a sua delimitação não é propriamente exata, face ao número de pessoas que se assumem como tal. E porquê? A falta de atração surge por diversos motivos – nomeadamente traumas, problemas hormonais ou transtornos psicológicos – mas isto não quer dizer que se fale de uma pessoa assexual. Contrariamente aos motivos referidos anteriormente, a assexualidade não é nenhuma doença que necessite de acompanhamento e tratamento médico, até porque, apesar de ainda ser um conceito em desenvolvimento, o que é certo é que vários estudos atestaram não encontrar nenhuma causa específica, nem identificaram sinais patológicos nos indivíduos.

No que concerne à vertente emocional há também uma grande dúvida, isto é, assume-se que quem é assexual não sente amor pelo outro, mas este pensamento não podia estar mais incorreto. Uma grande maioria dos assexuais já esteve apaixonado, provando que efetivamente o amor nada tem a ver com a atração sexual senão vejamos, se é normal uma pessoa ter sexo com outra sem ter nenhum tipo de sentimento sem ser a atração física e sexual, onde é que isto é diferente de alguém que sente amor por outro, mas sem interesse no ato?

Outro dos pontos que suscita dúvida é saber até que ponto é que alguém, que se sente assexual, achar que o deixa de ser por já ter feito sexo. Ora, um assexual pode fazer sexo sim e, na senda, praticar masturbação. A questão está por detrás dos motivos, ou seja, um assexuado pode praticar sexo e masturbação para satisfazer o seu parceiro, para a manutenção do relacionamento, por ser uma necessidade fisiológica ou para aliviar o stress.

Concluindo, a assexualidade não aparece por algo que se faça ou por própria vontade, não é algo que não traga desilusões ou problemas só porque não sentem atração (toda a gente no mundo tem desgostos), são felizes (como muita gente) porque o sexo não é fundamental para a felicidade humana nem um pré-requisito e não é sinónimo de um transtorno psicológico.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.