Numa relação onde a paralisia ocupa um papel central, os pais podem demitir-se da "imposição de regras e limites" por sentirem que a vida "já castigou demasiado o seu filho", explica Joana Lobo, psicóloga da Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra (APCC), instituição que, em parceria com a Faculdade de Psicologia da Universidade de Coimbra, decidiu implementar o programa de educação parental "Anos Incríveis", que desenvolve estratégias para reduzir distúrbios em crianças com hiperatividade, défice de atenção ou agressividade.

"Porque é que estes pais precisam do programa? Porque são pais. A paralisia é uma coisa na vida, mas não é a vida", sublinha uma das coordenadoras do programa em Portugal, Filomena Gaspar, referindo que as estratégias utilizadas pretendem fazer com que o foco dos pais "não seja no que a criança não faz bem, mas no que faz bem".

Segundo a também docente da Faculdade de Psicologia, os pais precisam de "se focar no essencial e não gastar tempo no que não interessa", dando atenção positiva ao mesmo tempo que impõem limites e consequências para desobediências e birras.

Acabar com a frustração e insegurança dos pais

Numa sala da sede da APCC, pais de 13 crianças com paralisia cerebral, dos três aos oito anos, começaram em abril a receber formação deste programa, em que se procura "acabar com a frustração e insegurança" que os progenitores possam sentir, diz à Lusa Joana Lobo.

Durante as formações, que ocorrem uma vez por semana e que são dinamizadas por investigadores da Faculdade de Psicologia, os pais põem-se no lugar dos filhos, aprendem a impor limites e a brincar, numa sala onde reina o pensamento positivo, que segue depois para casa, como conta Susana Pires, mãe da Carolina, de sete anos.

"Foco-me mais nos aspetos positivos, aproveito melhor o tempo que tenho com a Carolina, mas também percebi que estava a fazer algumas coisas bem", diz a mãe, de 25 anos, da Guarda, que nota sinais de melhoria na sua filha que diz ser "um bocadinho manipulativa".

O pouco tempo que tem com a filha, devido ao trabalho, aproveita agora "da melhor forma", refere.

"Não aproveitávamos tanto para brincar. Agora, chego a estar duas horas só a brincar", salienta Sofia Gouveia, de 39 anos, referindo que está "mais feliz".

Maria Filomena Gaspar acrescenta: "Custa menos que uma caixa de antidepressivos".

Miguel Monteiro, pai do David, de seis anos, afirma que a paralisia "é como uma tragédia que se abate" no seio da família.

"Vivemos centrados nesse problema e esquecemo-nos de que são crianças normais. O meu filho é muito acompanhado, está rodeado de técnicos, mas só tem uns pais. Não podemos esquecer a afetividade, temos de lhe dar carinho", salienta.

"É uma espécie de vacina", explica a coordenadora do programa.

A formação termina na quinta-feira e a APCC e a Faculdade de Psicologia vão realizar uma segunda fase do projeto, com outras 13 famílias da região Centro, a qual irá arrancar em outubro.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.