Sinónimo de repouso para uns e de aventura para outros, as férias são
a oportunidade de conhecer novos destinos.

Mas prepará-las não se limita
a ter de fazer a mala e verificar os passaportes. A sua saúde também precisa
de estar pronta para os riscos que podem surgir.

Leia o guia que se segue
e, antes de partir, informe-se com o seu médico ou faça uma consulta de
Medicina do Viajante. Recorde-se que a gravidez, bem como as crianças e
idosos, requerem cuidados especiais. E vá de férias descansada...


Malária (Paludismo)

Trata-se da principal doença tropical e, a nível
mundial e a segunda doença infecciosa mais
mortal. É uma patologia sazonal que aumenta
durante a estação das chuvas em zonas húmidas
e quentes e transmite-se pela picada de
fêmeas do mosquito Anopheles.

Zonas de risco
Sem profilaxia, o risco
é mais elevado na África sub-Sahariana e
Oceania, intermédio no sul da Ásia e relativamente
baixo na América do Sul e sudeste Asiático.
As actividades a realizar, a época do ano
e a altitude também inf luenciam o risco.

Como prevenir
Pode proteger-se da
picada. usando roupas compridas, repelente
de insectos e redes mosquiteiras impregnadas
e do desenvolvimento da doença, com medicamentos
antimaláricos, indicados pelo médico.
Com a maioria dos farmácos, a profilaxia
inicia-se na semana anterior à viagem, mantém-se na estadia e termina no fim da quarta
semana após o regresso.

Sintomas
O acesso simples começa por febre
e calafrios. Quando baixa surge uma sensação
de calor e transpiração intensos, acompanhada
de dores de cabeça fortes, falta de força, apetite,
dores musculares e articulares. A febre é
o sintoma mais importante e está presente em
mais de 90 por cento dos acessos.

Como tratar
É uma doença curável se
for rapidamente diagnosticada e tratada.
Deve procurar observação médica imediata
se desenvolver febre a partir do sétimo dia
após o início da viagem ou depois da visita a
uma área afectada.

Não se esqueça
O mosquito que transmite
a malária pica sobretudo ao crepúsculo,
à noite e ao amanhecer. Reforçe as precauções
nestes momentos.


Veja na página seguinte: Hepatite

Hepatite

É uma infecção viral que afecta o fígado.
Há seis tipos de vírus, sendo o A e o B os mais
comuns.

O primeiro é transmitido quando as
fezes entram em contacto com água ou alimentos
e infectam quem os ingere, o segundo
através de fluidos corporais (sangue, saliva,
sémen, secreções vaginais e leite materno).

Zonas de risco
A hepatite A é comum
em zonas onde os esgotos contaminam a água
canalizada. O risco depende da forma de transmissão
da hepatite, das áreas a visitar, do saneamento
e das actividades a realizar.

Como prevenir
Evite água canalizada,
gelo, alimentos crus ou mal cozinhados e mantenha
contactos interpessoais seguros. A vacinação
pode ser indicada em caso de risco.

Para
os viajantes que não possuem anticorpos para a
hepatite A nem para a hepatite B e que tenham
risco de contrair estas doenças existe uma vacina
única que protege contra ambas.

Sintomas
A hepatite A é uma doença benigna,
aguda e nunca evolui para a cronicidade.
A hepatite B é uma doença aguda e, na maioria
das vezes, autolimitada.

No entanto, em 15 a 20
por cento dos casos o vírus mantém-se activo,
podendo provocar complicações hepáticas graves.
As pessoas que mantêm o vírus em circulação
podem transmiti-lo através dos seus fluidos corporais,
sobretudo sangue, sémen e secreções vaginais.

Como tratar
Não há tratamento específico
nas hepatites agudas. Utiliza-se terapêutica
de suporte e, sobretudo, evitam-se substâncias
que possam ser tóxicas para o fígado. Existe
medicação para a hepatite B na forma crónica,
sob estrito controlo médico.

Não se esqueça
As vacinas para a hepatite
requerem antecedência. Vá à consulta de medicina
do viajante um mês antes da viagem.


Veja na página seguinte: Cólera

Cólera

Trata-se de uma infecção intestinal pela
bactéria Vibrio cholerae que se transmite por
via oral-fecal, quando águas contaminadas
são consumidas ou entram em contacto com
os alimentos.

Zonas de risco
É uma patologia frequente
em regiões com saneamento básico
deficiente, o que geralmente acontece
em países africanos e asiáticos.

Está também
presente na América do Norte, Central
e nas zonas tropicais da América do
Sul. Pode ocorrer em surtos epidémicos.

Como prevenir
Existe uma vacina que
tem uma eficácia de cerca de 65 por cento.
O viajante comum deve, sobretudo, ter
precauções de higiene.

Deve beber apenas água
engarrafada, evitar alimentos crus ou pouco
cozinhados, nomeadamente peixe e marisco,
e lavar as mãos frequentemente.

Sintomas
Destacam-se a diarreia intensa,
náuseas, vómitos e desidratação com risco
de morte. Muitos dos sintomas não diferem
da diarreia comum do viajante, senão
em termos de intensidade.

As pessoas pertencentes
ao grupo sanguíneo O são mais
vulneráveis a esta patologia. Em caso de
suspeita deve procurar ajuda médica com
urgência.

Como tratar
Um reforço da ingestão
de líquidos é, por si, uma boa estratégia
para combater a doença logo desde o
início.

Caso hajam dificuldades na hidratação
oral, pode ser necessário o internamento.
A toma de antibióticos pode também ser
recomendada.

Não se esqueça
Resista à tentação das
bebidas com gelo ou rodela de limão. É quanto
basta para ser contaminado.


Veja na página seguinte: Dengue

Dengue

Doença provocada por um vírus transmitido
pela picada de um mosquito (Aedes
aegypti) frequente nas zonas urbanas e que,
normalmente, pica durante o dia.

Há quatro
tipos diferentes deste vírus e é possível
contrair a doença mais do que uma vez.

Zonas de risco
América Central e
do Sul, Caraíbas, África Central e de Leste,
Austrália e Pacíf ico Sul, subcontinente
indiano e sudeste asiático.

Como prevenir
Não existe vacina para
esta doença pelo que a melhor forma de
prevenir é usar repelente de insectos e calças
e camisolas de mangas compridas.

Sintomas
Febre, dores cabeça, dores
musculares intensas, náuseas, vómitos e
manchas avermelhadas no corpo. Os sintomas
podem surgir até 14 dias após a picada
pelo mosquito.

Como tratar
A forma mais comum da
doença cura-se espontaneamente em poucos
dias e requer uma maior ingestão de
líquidos e a toma de paracetamol. Casos
mais graves (febre hemorrágica da dengue)
exigem medidas médicas urgentes.

Não se esqueça
Em caso de doença, é
aconselhável evitar os analgésicos com ácido
acetilsalicílico, como a aspirina, dado o
risco de problemas hemorrágicos.


Veja na página seguinte: Febre amarela

Febre Amarela

É uma doença comum nas regiões tropicais
e transmitida pela picada do mosquito Aedes
aegypti (em África) e do mosquito Haemagogus
(na selva amazónica).

Pode surgir em zonas
urbanas e na selva.

Zonas de risco
América Central e nas
zonas tropicais da América do Sul e de África.
Não existe febre amarela na Ásia.

Como prevenir
Existe uma vacina que
confere imunidade por um período de dez
anos.

Deve ser ministrada até dez dias antes da
viagem. Caso não sejam vacinados, os viajantes
devem limitar o risco de picada do mosquito
através do uso de repelente, calças e roupa
de mangas compridas.

Sintomas
Esta doença é caracterizada pelo
aparecimento abrupto de febre alta, arrepios,
dores de cabeça, de costas e musculares, bem
como náuseas e vómitos.

Nas fases mais avançadas
surge icterícia e manifestações hemorrágicas.
A mortalidade é muito elevada.

Como tratar
O diagnóstico pode ser feito
através de testes laboratoriais e o tratamento é
apenas de suporte.

Não se esqueça
O comprovativo de
vacinação é obrigatório para entrar em muitos
dos países afectados por esta patologia.


Veja na página seguinte: Febre Tifóide

Febre Tifóide

Doença causada pela bactéria Salmonella typhi
presente na água ou alimentos.

Zonas de risco
Infecção cosmopolita,
mais frequente em regiões com deficiente
saneamento básico.

Como prevenir
Existem duas vacinas
indicadas quando se viaja em regiões com
condições sanitárias deficientes, cuja eficácia
é de 50 a 90 por cento.

As precauções alimentares
e higiénicas devem ser cumpridas.

Sintomas
Inicialmente pode assemelhar-se
a uma gripe ou constipação (febre, dores de
cabeça) a que se seguem dores abdominais,
obstipação e, em alguns casos, diarreia.

Como tratar
Esta doença pode ser muito
grave, obrigando o doente a ficar na cama
e a procurar ajuda médica. É sempre necessária
a toma de antibióticos.

Não se esqueça
Se tiver febre alta durante
mais de 48 horas procure assistência médica.


Veja na página seguinte: Diarreia

Alerta
à mesa

A diarreia
é o inimigo mais
comum do viajante.
Previna-se!

Não chegue à refeição com fome. Perde a
capacidade de recusar um alimento em más
condições. E consuma apenas bebidas engarrafadas e abertas à
sua frente.

Não coma saladas, alimentos crus e fruta que não
tenham sido preparados por si. Evite molhos, temperos ou pratos que disfarcem os
alimentos.

Coma carne, peixe e marisco confeccionados de
forma simples, para perceber, pelo cheiro ou sabor,
se estão em boas condições. Ingira a carne de aves e os ovos só quando forem
muito bem cozinhados.

Tenha uma reserva alimentar no quarto, para comer
algo caso não o faça à refeição. A maioria das diarreias do viajante resolvem-se
com hidratação e dieta. Alguns casos podem requerer
medicação, que deve ser indicada pelo médico.

Para saber qual a
consulta do viajante
mais próxima
da sua área de
residência, consulte o site
www.portaldasaude.pt
ou ligue para a linha
de informações do
Ministério da Saúde
(213 305 000).

Texto: Manuela Vasconcelos com Jorge Atouguia (infecciologista)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.