A Alta de Lisboa viu nascer uma das maiores obras de arte urbana da Europa a ser desenvolvida por um só artista. Com o objetivo de transformar um elemento urbanístico pré- existente – um talude – num espaço dinâmico, a SGAL - Sociedade de Mediação Imobiliária desafiou o artista RAF a repensar o espaço e desenvolver um trabalho artístico com a sua assinatura.

Originalmente, o talude impunha-se como um elemento predominante, mas sem interesse urbanístico para as zonas envolventes.

As desigualdades entre ricos e pobres também podem ser vistas do céu
As desigualdades entre ricos e pobres também podem ser vistas do céu
Ver artigo

"Quando me desafiaram para trabalhar aquilo que era, na altura, um gigante bloco de cimento, imediatamente a minha cabeça se encheu de ideias. Olhando à volta, vemos prédios recentes coloridos que se misturam com a palidez de outras construções mais antigas. Decidi logo pegar no elemento cor para trabalhar este projeto, e comecei a imaginar de que forma poderia, com recurso à utilização de cor e de técnicas de aerografia, atribuir-lhe uma nova dimensão", esclarece RAF em comunicado.

Para atenuar esses fatores, RAF procurou criar um trabalho artístico dinâmico que transmitisse alegria, vontade de aproximação e sentido de pertença, acrescentando valor ao local e dotando-o de outras valências.

Veja as fotos do projeto

Para atenuar a sua volumetria, RAF recorreu a cores vibrantes e criou efeitos visuais tridimensionais, que criam a ilusão de volume e atribuem dimensão – um olhar mais atento permite identificar formas escondidas e discretas que atuam como elementos visuais que apelam à imaginação.

Pela sua localização – na freguesia mais antiga de Lisboa - Lumiar, onde se foram instalando, ao longo dos anos, muitas comunidades emigrantes e com origens sociais muito diversas, e que agora se misturam com construções modernas e de luxo –, este projeto traz consigo um apelo social ao dinamismo e ao despertar daquela zona de Lisboa.

"Com esta obra, queria não só desenvolver um trabalho artístico relevante para a arte urbana, mas desejei, acima de tudo, que isto pudesse ser a concretização de algo em que estou a trabalhar há já alguns anos: o dinamizar desta zona de Lisboa", acrescenta.

As 10 cidades do mundo onde vai odiar conduzir
As 10 cidades do mundo onde vai odiar conduzir
Ver artigo

"Faço parte da comunidade deste bairro desde muito pequeno e, por isso, este projeto é-me muito próximo. Foi aqui que decidi morar e trabalhar – abri o MU Workspace | Creative Cowork a alguns metros do Talude há cerca de um ano, e foi lá que o projeto MU Open Gallery deu os primeiros passos, recebendo já o projeto Talude no eu portefólio – e espero, agora, que esta possa ser mais uma contribuição para colocar este bairro no mapa daqueles que vivem e de quem visita a nossa cidade", disse ainda.

Rui Alexandre Ferreira espera que este projeto contribua para transformar o bairro num local de interesse turístico e comercial que, à semelhança de outros exemplos de arte urbana na capital, atraia novos públicos e operadores para esta zona. Um potencial que se concretizou no Festival Internacional de Street Art de Lisboa, que decorreu na Alta de Lisboa em maio deste ano, e onde o Talude foi não só a maior obra de arte urbana, como também aquela onde decorreu a maior interação e dinamismo com a população e visitantes.

Veja em vídeo

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.