Grande parte da nossa vida passamos com confusões mentais. Seja para resolver problemas ou mesmo depois de os resolver. Tudo começa na infância em que os que nos rodeiam colocam prazos para tudo e nos fazem crescer numa constante necessidade de urgência de resolver e muitas das vezes nem resolução tem, mas continuamos no sofrimento de resolver e criamos as tais confusões mentais.

Estas confusões mentais fazem com que não consigamos deixar espaço para pensar calmamente e deixar a nossa intuição trabalhar no seu tempo. Acontece assim a incapacidade de decidirmos qual o nosso caminho e missão de vida porque tudo é a correr.

Como todos nós somos almas diferentes, há uns que aguentam a pressão e outros colapsam. O nosso corpo não foi feito para “correrias”. Basta olhar para a maneira como está preparado, é uma autêntica obrar de arte e com certeza não foi criado “ás 3 pancadas”. Somos nós que o estragamos ao estar a colocar demasiada pressão.

No caso da mente, o colapso muitas das vezes dá casos de esgotamentos, visões, quadros alucinatórios que colocam esta alma num caso de perda de identidade. Muitos destes casos não é mais do que a própria mediunidade a colapsar. A querer sair cá para fora, farta de estar sempre a ser aprisionada pelas correrias a que nos impomos.

Mediunidade – capacidade para servir de intermediário/canal entre o mundo terrestre e o mundo divino
Esta comunicação existe desde sempre. Já o Hinduísmo e os Vedas falam disso há mais de 6 mil anos e a história repete-se desde sempre. Quando a raça humana foi criada, foi também dada a oportunidade de haver essa faculdade entre nós e poder ajudar na evolução de consciência. E assim ajudar a evoluir a energia da Terra para uma ascensão. Que sentido faria se não houvesse evolução?

“Todos somos médiuns” já diz o grande médium Alan Kardec e a verdade é mesmo essa. Nós somos divinos e viemos todos com essa faculdade. Uns mais abertos e outros mais fechados, mas todos com a mesma capacidade. A maneira como a mediunidade se apresenta tem a ver com vidas passadas e expiação de karma.

Não há hora para a mediunidade aparecer, mas há vários sintomas que são comuns tais como:

  • Humor muito instável
  • Mudança repentina de atitudes e falas
  • Sensações de presenças
  • Arrepios constantes sem ser de frio
  • Insights profundos
  • Visões de vultos ou bem definidos
  • Audições de vozes e pensamentos na mente que sabemos que não são nossas
  • Incorporações em caso de médiuns mais ostensivos
  • “Bipolaridade” na mente; conversas intermináveis connosco numa vibração de destruição
  • Etc……

Muitos no início procuram médicos e maioria são encaminhados para psiquiatras, onde são medicados e dados como “malucos” ou com transtornos mentais.

Vi isso acontecer vezes sem conta durante o meu trabalho em farmácia comunitária. Muitos quadros alucinatórios não são mais do que mediunidade desequilibrada. Pessoas que se precisam conhecer a elas próprias e ser elas próprias. Ter os seus insights em vez de depender dos insights dos Outros

Claro que existem casos que são realmente desordem mental, mas a maioria é mediunidade. Devido á falta consciência e crenças que foram impostas na infância, a maioria das almas não acredita e nem procura ajuda espiritual. São dados como incapacitados e levam uma vida completamente deficiente.

Depois de muito tempo a bloquear a mediunidade, surgem então na maioria dos casos as depressões de anos.
Bastava apenas estarem abertos para a sua mediunidade e começa-la a trabalhar através de terapias como a Conexão AVA, Terapia Multidimensional ou mesmo o Curso de Terapia Multidimensional que é mais intenso. Há também sítios que trabalham essa mediunidade mais na prática que é o caso dos centros espiritas, Terreiros de Umbanda Branca e Centros Vale do Amanhecer, Fraternidades brancas, etc…

Todos os procedimentos que tivemos errados em relação á nossa mediunidade durante a vida, ficam gravados na nossa aura. Isso leva ao tal desequilíbrio em que se ouve o que não se deve, vê-se o que não se quer e sente-se o que nos faz sentir mal. Tudo porque a nossa mediunidade não está estável.

É necessário que se tenha consciência quando a nossa mediunidade está a despertar e começar a tomar as devidas precauções para que não nos desequilibre. Tudo o que é pequenino precisa de proteção até crescer. Assim é a mediunidade. Precisa de Proteção e entendimento. É necessário limpar a nossa aura de miasmas antigos bem como energias negativas e deixar a mediunidade crescer em solo fértil sem afectar a nossa saúde.

Ser médium é um presente divino. Não um castigo.
Só o entendimento sobre o assunto está errado e nas mãos erradas. Não é por isso que tem de desistir, basta tentar novamente.

By Célia de Jesus
Terapeuta Holistica

+351910879049
consultas@treenaturaterapias.com

www.treenaturaterapias.com/a-leitura-de-aura/

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.