Em pequeno, queria ser ator, jogador de futebol ou cantor mas, anos mais tarde, acaba por formar-se em engenharia mecânica na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Acaba, no entanto, por ser a escrita a dar-lhe mediatismo e reconhecimento. Nascido em Marco de Canaveses em 1992, Raul Minh'alma publicou, em 2011, o primeiro livro. Em 2016, com apenas 24 anos, viu "Larga quem não te agarra" converter-se numa das obras de ficção mais vendidas em Portugal.

O êxito maior chegaria três anos depois, com o primeiro romance. "Foi sem querer que te quis" foi o livro português mais procurado nas livrarias em 2019, abrindo portas para os feitos seguintes. Em 2020 e 2021, Raul Minh'alma foi o autor nacional que mais exemplares escoou das prateleiras. Em entrevista exclusiva ao Broader/SAPO Lifestyle, o escritor faz declarações surpreendentes. "Acho que não teria chegado onde estou hoje sem as redes sociais", desabafa o nortenho.

Foi o autor português mais vendido em 2020 e em 2021 em Portugal e também escreveu o livro mais procurado em 2019. Em declarações a uma publicação, admitiu, em tempos, que era cismático, que pensa demasiado em tudo. Estes feitos que conquistou nos últimos anos também lhe ocupam muito espaço de memória?

Sim. Tudo facilmente me ocupa muito espaço de memória. Eu procuro, muitas vezes, não me meter em muitas coisas para poder concentrar-me mais facilmente nas minhas obras porque, à mínima coisa extra que eu tenha de fazer, parece que o dia de trabalho depois já não rende.

Eu gosto de desocupar o máximo possível a minha mente para me poder concentrar na escrita. Nem sempre é possível mas, para mim, isso é fundamental para poder escrever... Tudo me ocupa facilmente muito espaço de memória e, às vezes, prefiro não saber de certas coisas só para não ficar a pensar nelas...

Ser o autor português mais vendido de 2022 também é o objetivo?

É sempre! Mas eu também estou sempre à espera que isso mude. Em algum momento, vou deixar de ser eu e está tudo certo. São ciclos. Agora até acho que estou mais concentrado noutro tipo de objetivos. Repeti o feito pelo segundo ano e espero continuar o máximo tempo possível, como é óbvio, mas não é algo em que eu me concentre. Até porque sei que não será todos os anos assim e estou perfeitamente preparado e mentalizado para isso.

No dia em que isso acontecer, não se sentirá frustrado? Já pensou nisso?

Não, porque sei que faz parte. As pessoas que compraram os meus livros já não os vão voltar a comprar. Já os têm. Eu ainda estou numa fase em crescendo. Há gente que só agora é que me vai começando a conhecer. Provavelmente, não será sempre assim.

Por isso é que, a partir de certa altura, muitos escritores querem sair do país e internacionalizar-se. Eu estou preparado para deixar de ser o autor português que mais livros vende. Por isso, não será uma frustração, até porque tenho sempre outro tipo de objetivos para o futuro...

Há chefs que assumem publicamente que não querem conquistar as estrelas atribuídas pelo Guia Michelin por causa da tremenda pressão a que depois passam a estar sujeitos. Não teme que lhe possa vir a acontecer o mesmo?

É uma comparação que faz todo o sentido. Eu, por exemplo, quando recebi o título do livro mais vendido do ano, também o senti. Há sempre aquela pressão em torno de como será o próximo. Será que será tão bom? Mas eu percebi, logo nessa altura, que não andava à procura de fazer um livro melhor do que anterior.

Por isso, já estou resolvido com isso desde o início. Já sei que não é assim que funciona. O meu objetivo é que cada livro seja um, que cada história seja boa, que tenha qualidade e que tenha uma mensagem importante a passar. Já sei que, se calhar, muitos vão preferir um determinado livro ou vão preferir outro, mas está tudo certo...

Ainda se lembra do que sentiu no momento em que lhe disseram que tinha o livro mais vendido do ano em Portugal?

Foi uma felicidade total, porque era um objetivo. Trabalhei durante todo o ano de 2019 para isso e eu queria muito que se concretizasse. Eu e a minha editora sabíamos que o livro estava a vender bem e que tinha qualidade para isso.

Nesse caso, se não tivesse conseguido, é que teria sido uma grande frustração... Se não fosse daquela vez, muito provavelmente demoraria mais tempo a consegui-lo. Teria sido uma grande frustração mas também nada que me fosse desanimar. Mas, felizmente, consegui-o e foi uma alegria muito grande.

Começou a escrever poesia com 17 anos e pouco depois lançou logo o seu primeiro livro. Nos dias de hoje, ainda gosta genuinamente de escrever ou, com o passar do tempo e com a construção de uma carreira literária, com tudo o que isso implica, a escrita tornou-se numa profissão e até mesmo numa obrigação?

Eu sempre encarei sempre a escrita como uma missão e como um trabalho. Nunca como um passatempo. Eu sabia que, não tendo a rotina que tenho e não olhando para esta atividade como um trabalho, dificilmente conseguiria escrever livros com a frequência com que o tenho feito e dificilmente conseguiria atingir o patamar em que estou hoje. Para mim, foi sempre um trabalho, uma missão, sinceramente. Sempre olhei para a minha escrita com uma profunda intenção de missão.

Em criança, era escritor que queria ser quando fosse grande?

Não. Talvez ator, jogador de futebol, cantor... Eu sempre tive uma maior apetência pra as artes, confesso. Eu gostava de me ter destacado nalguma arte. Sempre fui um apaixonado pelo teatro, pela representação, pela música...

Não tenho jeito para nenhuma dessas coisas e, então, a vida acabou por me encaixar aqui, na literatura. Também não sei se tenho jeito mas, à partida, diria que sim... [risos] Foi aqui que acabei por ficar mas, quando era mais novo, pensava sempre que viria a fazer qualquer coisa ligada à arte ou ao desporto...

Em que altura é que sentiu o apelo da escrita?

Foi quando comecei a escrever literatura e poesia ou lá o que aquilo fosse. Se calhar, não era poesia não era nada. Foi quando comecei a escrever algumas coisas e a partilhá-las com os outros através de um blogue que tinha na altura, em 2009. Nessa altura, vi que as pessoas que o liam não estavam nada à espera que eu escrevesse aquelas coisas, porque eu era o colega de turma engraçadinho.

Livros

Eu era o engraçadinho da turma. Ainda hoje, nos meus grupos de amigos, continuo a ser o engraçadinho. Mas, naquela altura, as pessoas não me imaginavam a escrever o que eu escrevia e foram percebendo que eu não era só gracinhas e piadas. Perceberam que eu também tinha algum conteúdo e que até tinha coisas para dizer, algumas delas menos bonitas, mais dramáticas.

Acho que foi aí que começou a nascer o bichinho da escrita e, depois de partilhar os meus textos no blogue, no dia seguinte chegar à escola e estar toda a gente na minha turma a falar sobre isso também. Acho que foi nesse primeiro momento em que partilhei essas coias com o mundo que nasceu este bichinho...

Como é que é o seu processo criativo? Tem um livro para escrever, um contrato com a editora para cumprir, como é que aborda o processo de ter de preencher as páginas em branco? É um processo linear? Começar a escrevê-lo e só para quando o termina ou vai saltando entre uns textos e outros?

Eu diria que é linear. Isso é o mais próximo daquilo que verdadeiramente acontece. Durante um período que não é certo, pode demorar mais ou menos tempo, procuro encontrar a linha geral da história, aquilo que quero contar e a mensagem que quero passar.

José Luis Peixoto em declarações exclusivas. "Há coisas que fazer uma vez não é suficiente"
José Luis Peixoto em declarações exclusivas. "Há coisas que fazer uma vez não é suficiente"
Ver artigo

Depois, durante um, dois ou três meses, nunca sei porque estou dependente da inspiração para criar, procuro chegar à ideia que quero transmitir e à historia que quero contar. Começo sempre qualquer livro sem saber o que é que vai acontecer. Há muita gente que diz que não tem tempo para escrever todas as histórias que quer contar e eu é ao contrário. Acabo sempre um livro sem saber o que é que vai acontecer no próximo. Tem sido assim desde o primeiro e já lá vão alguns...

É um processo linear. Durante dois ou três meses, um ou às vezes uma semana, estou ali à procura das ideias que quero passar e, depois, é pegar no teclado e começar a escrever durante três ou quatro meses. sempre 12, 13 ou 14 horas por dia, durante esse período, intensivamente.

Na fase em que está a escrever, consegue fazer uma separação efetiva entre os momentos de escrita e de lazer ou de vida pessoal ou acontece-lhe estar a fazer qualquer coisa e ter de parar ou até estar a dormir e acordar porque lhe surgiu uma ideia ou uma frase?

Eu, infelizmente, gostava de fazer melhor essa separação. Muitas vezes, o que acontece é que vou para a cama e fico a pensar na história, no que é que vou escrever no dia seguinte. Às vezes, tento que isso não aconteça, porque quero dormir e preciso de descansar, mas acaba por levar o trabalho comigo. Durante a fase em que estou a escrever, desde o início até ao fim do livro, acho que nunca desligo.

Posso estar a fazer outra coisa mas acabo por estar a pensar naquilo. Ainda ontem [dia anterior à entrevista], estava a escrever, era domingo, mas eu não tenho domingos nem sábados nem feriados nem fins de semana. Não existe isso quando estou a escrever.

Mas, como estava a contar, era domingo e fui sair um bocado. Tinha uma coisa combinada mas sabia que, quando voltasse para casa, teria de voltar a escrever porque ainda não tinha cumprido a meta desse dia. Então, tentei relaxar nessa saída, mas já sabia que tinha de voltar a casa a tempo de escrever mais um bocado. Nunca desligo. Acabo por nunca desligar. Não é bom mas faz parte...

E em que momento é que costuma estabelecer que o livro está pronto? Já lhe aconteceu, por exemplo, ter entregue um livro à editora e, depois, arrepender-se porque, afinal, ainda mudava ali uma coisa ou outra?

Não, acho que nunca me aconteceu isso. Eu começo e acabo. Os meus livros têm sempre o mesmo tamanho. Eu chego à página 300 e acabou-se a escrita. Todos os meus livros têm o mesmo tamanho. À medida que vou avançando, vou percebendo que há partes do livro que têm de ser reescritas, porque a história foi por outro caminho ou porque tinha um caminho traçado para uma personagem e ela foi por outro.

Nessa fase, há cenas iniciais que tenho de retificar para bater tudo certo e ficar tudo alinhado. Depois de escrever o livro, reservo uns dias para reescrever essas partes. De seguida, há todo um processo em que vai à editora e eles, por vezes, pedem-me para alterar algumas coisas... Esse é o processo mais chato porque, se eu mudar uma coisa aqui, às vezes não bate certo à frente.

O processo de escrita é linear mas a história nem tanto e, às vezes, acontecem coisas no fim que me obrigam a alterar um bocadinho o que está antes. Nunca é nada de significativo, na realidade. Eu, às vezes, a meio do livro, é que me apercebo que uma determinada cena é muito parecida com a de outro livro que já escrevi e, aí, tenho de voltar a reescrevê-la...

Esse imperativo do seus livros terem de ter 300 páginas não acaba por condicionar a história? Não o obriga a escrever mais para atingir esse número ou a resumir demasiado as coisas para não o ultrapassar?

O trabalho que dá é fazer esta gestão toda porque, quando eu começo o livro, já sei que ele vai ter essas 300 páginas. Não é algo que eu me imponha ou que decida a meio do livro. Eu já sei que na página 100 ou na página 150 tem de acontecer uma determinada coisa. Se escrevo uma cena que pretendo desenvolver, não a posso deixar para muito depois da página 200, senão depois não tenho espaço para o fazer.

Esta gestão, se calhar, dá-me o dobro do trabalho, mas isso também sucede nos capítulos, porque cada capítulo tem de ter o mesmo tamanho. Há cenas que sei previamente que vou ter de as dividir em dois capítulos. É um trabalho extra que acabo por me dar a mim próprio mas eu gosto desse brio no meu trabalho, de não ter de acabar quando me apetecer...

Alguns escritores preferem escrever sozinhos, no silêncio. Outros admitem ter pessoas por perto e até toleram algum ruído. Alguns fazem-no sempre no mesmo sítio. Outros vão variando ou vão percorrendo diferentes divisões da casa onde residem. No seu caso, também tem preferências ou manias?

Eu, por acaso, gosto de escrever em silêncio. Não gosto de escrever com confusões à volta. Procuro ter sempre o meu lugar de escrita, para preparar a minha mente, e, quando me sento lá, começar a trabalhar. Procuro escrever num ambiente silencioso.

35 livros portugueses para quem gosta de ler e de viver
35 livros portugueses para quem gosta de ler e de viver
Ver artigo

O ano passado, adotei uma cadelinha e, automaticamente, o tempo de escrita do meu livro aumentou muito só por causa disso, porque passou a ser uma distração aqui em casa. Já não estou sozinho. Houve livros que eu escrevi absolutamente solitário porque não tinha ninguém a viver comigo e, nessas situações, o processo é todo muito mais rápido. Se eu precisar de me deitar às quatro da manhã, está tudo bem. Com outras pessoas a viver aqui e com outras coisas a acontecer, isso já me obriga a ter uma rotina maior e mais exigente e aí, se calhar já não consigo cumprir as metas diárias que estabeleço.

Eu tenho, efetivamente, uma meta diária de páginas a escrever por dia. Não escrevo aquelas que me apetece, porque também tenho um prazo limite para escrever cada um dos livros. Mas está tudo organizado...

Vivemos há pouco mais de dois anos num contexto de pandemia. Os constrangimentos que este surto viral veio impor afetaram a sua criatividade? Sentiu-se menos inspirado nalguns momentos de confinamento e de condicionamento?

Não, a pandemia nem sequer afetou muito a minha rotina. Eu já vivo em confinamento há alguns anos... [risos] Desde que comecei a escrever e a viver da escrita. Eu também não sou muito de sair. Não sou muito de estar lá fora.

Desde 2016 que vivo em casa fechado, a escrever coisas. Portanto, confesso que não fui, de todo, das pessoas mais afetadas pela pandemia. Tive essa sorte por casa da minha atividade. Já estava habituado a estar em casa. Dou-me bem em casa. O confinamento pode ter acabado mas eu vou continuar fechado em casa...

Imagina-se a escrever até que os dedos lhe doam?

[faz uma pausa] Eu acho que vou escrever sempre ou então não, não sei... Quando se me acabrem as ideias ou quando achar que já disse tudo o que tinha a dizer, se bem que há sempre uma história para contar, as possibilidades são infinitas... Não garanto que vá escrever até que os dedos me doam ou até que a minha vida se vá embora. A determinada altura, posso cansar-me disto.

Para mim, é efetivamente desgastante e as ideias podem acabar, a vontade de o fazer pode acabar, a inspiração pode desaparecer, a minha vida pode levar outro rumo ou posso encontrar o meu caminho noutro lugar. Não dou, por isso, essa garantia aos que gostam daquilo que eu escrevo. Mas, por enquanto, e acho que nos próximos tempos também, a escrita vai ser a minha vida, sim...

No caso de deixar de ser escritor, a engenharia poderia ser uma opção ou essa é uma possibilidade que descarta logo à partida?

Eu acho que já desaprendi tudo aquilo que aprendi. É verdade que me formei. Estudei engenharia mecânica durante seis anos. É essa a minha formação académica oficial mas não acho que... Não sei, não sei... Mas, mesmo que eu me virasse para essa área, também não sei se seria como engenheiro.

Poderia estar ligado a essa área mas, eventualmente, com outro tipo de funções, porque há muitas coisas que eu gosto de fazer. Os meus amigos mais próximos continuam a trabalhar como engenheiros mecânicos e, se houvesse alguma oportunidade interessante, sim, poderia ser uma hipótese...

Saiu há pouco tempo um estudo que revela que uma grande percentagem da população portuguesa não tem o hábito de comprar nem de ler livros. O que é que sente, enquanto escritor, quando é confrontado com estas notícias e com esta realidade?

Eu vi essa notícia. 61% das pessoas não leu nenhum livro em 2020. Curiosamente, nesse ano, eu fui o autor que mais livros vendeu em Portugal. Portanto, culpa minha acho que não é. [risos] Eu acho que tenho feito a minha parte e sei que muita gente, felizmente, o primeiro livro que leram na vida foi um livro meu. Muitas também me dizem que foi o primeiro livro que conseguiram ler até ao fim porque foi o primeiro livro de que verdadeiramente gostaram.

Carmen Greentree escreve livro autobiográfico que revela experiência traumatizante. "Pensei que morria"
Carmen Greentree escreve livro autobiográfico que revela experiência traumatizante. "Pensei que morria"
Ver artigo

Se calhar, os outros escritores também ouvem isto mas eu, realmente, tenho-o ouvido muito e sinto que tenho angariar muitos leitores. Também porque promovo mais as minhas obras nas redes sociais [do que outros escritores] e também porque a minha escrita é mais acessível. Se calhar, é mais fácil começar pelos livros dos Raul Minh'alma porque são mais fáceis de ler, mais viciantes... Esses leitores que hoje estão a ler os meus livros, se calhar, com o tempo, vão ler obras de outros autores com escritas mais complexas ou mais literárias. Se calhar, acabamos todos por ganhar com isso.

Esse tipo de notícias não é bom para o negócio nem para o futuro. Os livreiros ainda gostarão menos de as ouvir do que eu mas essa situação é má para o país e para cultura. Eu acho que tenho feito a minha parte. Por isso, estou de consciência tranquila. Tenho-me preocupado em desenvolver uma escrita que atraia leitores. Acho que há lugar para toda a gente no mercado. Independentemente disso, uns serão sempre mais lidos do que outros...

Como é que perspetiva a evolução do panorama literário português? Há colegas seus, como é o caso do Nuno Nepomuceno, que, numa entrevista que concedeu ao Modern Life/SAPO Lifestyle, confessou que não a encarava com uma perspetiva muito otimista até porque, como desabafaria noutra ocasião, considera que não tem havido uma grande renovação...

[faz uma pausa] Eu acho que sou um bocado parte dessa renovação mas, efetivamente, eu não tenho visto muitos mais nomes... Nos últimos anos, houve uma renovação clara, por conta da mudança do processo editorial em Portugal e das editoras em que os autores compram os seus próprios exemplares. São quase edições de autor e isso permitiu que muita gente começasse a publicar livros. Temos o caso máximo da Chiado Editora mas, depois, houve outras que seguiram esse registo.

Nuno Nepomuceno em entrevista exclusiva. "Não vejo o panorama literário português com otimismo"
Nuno Nepomuceno em entrevista exclusiva. "Não vejo o panorama literário português com otimismo"
Ver artigo

O cliente não é o leitor mas, sim, o escritor. Hoje em dia, publicam-se mais de 10.000 livros por ano. Acho que isso permitiu uma renovação porque, anteriormente, o meio literário português era muito elitista. Agora, faz falta é o processo de cativar os leitores. Escritores já cativamos os suficientes por causa dessas editoras. O problema é que muitos desses livros não estão nas livrarias para serem lidos. Em termos da atração de escritores e da fomentação do gosto pela escrita, nunca tivemos tantos cursos de escrita criativa nem tanta malta a dar formação, que por acaso é algo que não me atrai. Na fomentação da escrita, acho que esse trabalho está a ser feito.

A parte da leitura é aquela rem que temos de nos focar mais, a começar pelas escolas. Apesar de termos um plano nacional de leitura, temos de educar mais as pessoas para ler. Aqui, há uma coisa muito simples a fazer. Temos de deixar as pessoas lerem aquilo que elas gostam e deixar de impor aquilo que supostamente é o melhor. Acho que esse é que é o caminho. Adquirindo um goto pela leitura, as pessoas vão começar a ler aquilo que é melhor. Se afastamos os leitores, então não leem uma coisa nem outra.

Sente que o facto de ter uma escrita mais simples e acessível, como já assumiu que tem, tem-lhe retirado mérito ou desvalorizado a perceção que os seus pares e que os críticos literários têm de si?

Sim, a maior parte dos meus colegas não valoriza este tipo de escrita, mais simples e mais acessível. Este meio é muito associado aos intelectuais e a uma escrita mais profunda e mais complexa que, depois, acaba por não ter a recetividade do público em geral. Se nós continuarmos a escrever para nichos pequenos, o número de leitores numa irá aumentar. Vão continuar a ser aqueles.

É importante que surjam escritores mais comerciais, como eu e outros, para atrair outro tipo de leitores. Se pensarmos, por exemplo, nos jovens, que não têm tanto vocabulário nem tanta profundidade, até porque ainda lhes falta a experiência da vida, se lhe impusermos aqueles livros de literatura profunda, que é o que acontece nas escolas, perde-se aí um leque enorme de leitores futuros. Se calhar, estamos a trocar a ordem das coisas.

Há livros que lemos naquela fase de que não gostamos porque não temos profundidade para os entender mas, se calhar, anis depois relemo-los e já achamos piada. Escritores como eu são tão fundamentais como os outros porque, se calhar, conseguimos atrair leitores que, depois, irão ler esses outros escritores. Somos todos fundamentais. Os meus pares podem não gostar tanto deste tipo de escrita mas, no futuro, se calhar, vão acabar por ganhar com ela...

Falou há pouco das redes sociais, como é que as encara? São uma componente obrigatória do negócio à qual não pode fugir ou são algo de que gosta genuinamente porque lhe permitem promover a sua escrita e contactar diretamente com os seus leitores?

É mais um trabalho também. Faz parte de um todo. É mais uma das ferramentas que eu uso para cativar e atrair leitores. Com esse trabalho de divulgação da escrita e dos livros, todo o setor ganha com isso. Eu uso-as essencialmente ara promover os meus livros. Para mim, é mais acessível e até mais divertido porque, ao contrário de um livro, uma publicação não demora três meses a fazer.

Eu escrevo uma mensagem todos os dias. Tenho esse dever social e procuro escrever frases que ajudem alguém no dia em que as leem. Mas, ao fazê-lo, também divulgo os meus livros. As minhas redes sociais são um mecanismo de marketing que serve para promover a minha escrita.

Os seus seguidores interagem muito consigo? Fazem-lhe muitas perguntas?

Se eu colocar questões nas redes sociais, sim, mas, sem ser isso, não acontece muito. Algumas pessoas enviam-me mensagens e eu procuro responder e dar às pessoas essa atenção, devolvendo um pouco o carinho que têm por mim. Recebo muitos testemunhos de leitores a dizer o que é que acharam dos livros e também é importante ter esse canal de feedback direto.

Algumas pessoas explicam-me o que é que as emocionou mais. Isso, para mim, é fundamental, porque me ajuda a estudar os próprios leitores, a entender as pessoas e a perceber as expetativas que têm em relação a mim e aos meus livros. Acho que não teria chegado onde estou hoje sem as redes sociais. Até poderia chegar, mas demorava muito mais tempo...

A internacionalização é um objetivo?

Sim, sempre foi. Já publiquei um livro no Brasil e também conto publicar lá os outros. Nos restantes países, é um processo que está a ser feito. Sou o escritor português mais vendido nos últimos anos mas isso não é necessariamente... É um título aqui mas, nos outros países, que ainda olham para Portugal como um meio mais pequeno e pouco representativo daquilo que pode ser uma boa aposta, é um processo mais difícil...

Se calhar, era mais fácil publicar lá fora em editoras mais pequenas e não me interessa estar a desperdiçar esses cartuchos. A internacionalização é algo que eu quero e que a minha editora, a Manuscrito, também quer. Mas eu tenho paciência e sei esperar pela minha vez. Quando for, se tiver de ser, há de ser...

Tirando o Brasil, há algum mercado onde as negociações estejam mais avançadas?

Nem por isso. Já tivemos algumas conversações com países mais próximos de Portugal que são mais recetivos ao meu género literário. Não é qualquer país que está recetível a ele. A pandemia também atrasou um bocado as coisas. Tornar-me no autor do livro mais vendido foi em 2020 poderia ser um titulo promissor, que levasse alguém a apostar em mim lá fora como noutros tempos apostaram em mim cá dentro...

Lá fora, é como se começasse tudo de novo. São precisos argumentos para comprovar o meu valor e isso consegue-se com títulos como esses. Todos estes meus títulos coincidiram com a pandemia. Nessa altura, já havia contactos avançados mas as coisas caíram por causa disso.

Ninguém  queria apostar em algo novo em plena pandemia. O processo atrasou-se e as negociações arrefeceram um bocado. Este ano, em princípio, ainda vamos ter novidades editoriais minhas no Brasil. O restante processo de internacionalização está atualmente em banho-maria. Mas tenho tempo. Sou paciente o suficiente...

Adaptar os seus livros à televisão e ao cinema ou até transformá-los numa série para as novas plataformas de distribuição digital é uma ideia que lhe agrada? Tem planos nesse sentido?

Claro que sim! Acho que esse é o sonho de qualquer escritor, ver a sua obra em versão audiovisual. Há muita gente a fazer-me essa pergunta. Eu respondo que gostaria que já tivesse acontecido mas que não depende propriamente de mim. Não sou realizador nem dono de uma produtora, infelizmente. Esse mais um dos objetivos que, se se concretizar, perfeito. Se nunca vier a acontecer, também não ficarei triste nem frustrado...

Há algum dos seus livros que tem características que o tornem elegível para uma adaptação destas?

Sim, não vou revelar qual, mas sim. Há histórias que sei que funcionariam e outras que também sei que não funcionariam.

Ainda estamos no início de 2022. O que é que tem estado a fazer e que projetos é que tem para este ano?

Trabalhar num novo livro. Todos os anos, procuro lançar um livro novo e é esse o compromisso que tenho com a minha editora. Trabalho o ano inteiro para isso mas, à medida que vou escrevendo um livro novo, também vou promovendo o anterior. O último que lancei foi o "Se me amas não te demores" e é esse que tenho estado a promover todos os dias enquanto vou pensando no novo livro. Tenho de fazer os dois trabalhos ao mesmo tempo...

E quando é que o próximo tem de estar pronto para entregar à editora?

Devia estar mais cedo do que a data em que eu o vou entregar... [risos] Depois, a editora tem que andar à pressa... Às vezes, eu ainda estou a escrever o livro e já estamos a pensar na capa e no título. Eu nem sempre consigo cumprir os prazos porque faço muita coisa sozinho e também porque preciso dessa pressão para poder produzir.

Se tiver muito tempo, acabo por facilitar. Por isso, é que procuro concentrar-me em pouco tempo, também para ter a história fresca na minha cabeça. Os planos que estabeleço nem sempre correm como o previsto e, por vezes, há uma derrapagem nos prazos. Mas espero que, no final do verão, consiga ter o novo livro pronto...

O último livro que publicou, "Se me amas não te demores", foi lançado no início de novembro do ano passado. Ainda nem tem seis meses. O que é que trouxe de novo em relação aos anteriores?

É um livro que traz uma mensagem que considero ser importante, a ideia de vivermos o presente e o agora e de termos consciência do quão rápida a vida passa. Há um personagem que vive seis ou sete vezes mais depressa do que qualquer outra pessoa. Este livro tem essa particularidade.

Pedro Vieira, escritor, guionista e ilustrador, realça o papel do livro nos dias que correm. "Continua a ser a principal fonte de saber"
Pedro Vieira, escritor, guionista e ilustrador, realça o papel do livro nos dias que correm. "Continua a ser a principal fonte de saber"
Ver artigo

Eu procuro ter sempre nas minhas obras uma pontinha de fantasia ou apresentar um cenário hipotético que leve os leitores a colocar a questão de como seriam as coisas se essa situação fosse efetivamente possível. Isso obriga-nos a pensar em determinadas coisas que, em circunstancias normais, não pensaríamos. Além disso, é mais um regresso meu ao romance puro. Está mais próximo do "Foi sem querer que te quis". Tanto o "Ganhei uma vida quando te perdi" como o "Durante a queda aprendi a voar" abordam temáticas mais ligadas ao desenvolvimento pessoal, que este meu último livro também não descura.

Para mim, é fundamental tê-las em todos os meus livros e acho que também acabam por ser uma imagem de marca minha, o equilíbrio entre o romance e a vida pessoal. Este é um livro mais romântico. Já sentia falta de regressar ao romance, confesso...

O próximo também segue esta linha?

Não sei... [pausa] Eu vou recebendo o feedback das pessoas. Primeiro, tento perceber o que é que a humanidade está a precisar naquele momento. Por isso é que o livro que eu publiquei em 2020 abordava a temática da depressão e das doenças mentais, que era algo de que eu já queria falar há bastante tempo.

O meu propósito maior com a escrita é dar conteúdo às pessoas e ajudá-las a evoluir de alguma forma. Não quero contar uma história só porque é bonita. Isso nunca irei fazer. Há coisas que eu não ponho nos meus livros porque não entendo que passem a melhor mensagem ao leitor...

Pode dar exemplos para se perceber melhor o que está a querer dizer?

Sim. Imagine que existe um casal, que um deles decide desaparecer da vida do outro sem explicações e que o outro personagem decide ficar à espera, durante 20 anos, que o amor da sua vida regresse. Eu não posso escrever que o outro regressa passado todo aquele tempo que vivem felizes para sempre. Se o fizesse, a mensagem que estaria a passar aos meus leitores é que não há problema em abdicarem de 20 anos da sua vida por alguém que pode nunca regressar.

Neste caso concreto, voltava, para eu vender mais livros. Mas a verdade é que em 99% dos casos isso não vai acontecer. Eu poderia escrever essa história, que seria muito bonita e venderia muitos livros. Mas eu não vou por aí. Não vale tudo para vender livros! Houve uma altura em que pensei pôr um suicídio num livro meu mas, depois, mudei de ideias. Ainda que sejam coisas que aconteçam e que eu até possa vir a abordar no futuro, não quis ir por aí...

Portugal continua a atrair artistas internacionais. Só nos últimos meses mudaram-se para cá, pelo menos, mais três
Portugal continua a atrair artistas internacionais. Só nos últimos meses mudaram-se para cá, pelo menos, mais três
Ver artigo

Quis mostrar o outro lado e tentar dar alguma força ao leitor. Eu tenho essa preocupação. Às vezes, se calhar, a história perde, porque tiro-lhe ali alguma emoção, mas procuro compensar isso de outra forma. Tenho muito cuidado com as mensagens que passo aos meus leitores e acho que vou continuar assim. É um compromisso que tenho para com a sociedade e com o meu papel na escrita. Eu preocupo-me muito. Por isso, é que estudo muito aquilo que vou dizer antes de o fazer, porque estamos a influenciar pessoas que olham para nós e que nos reconhecem credibilidade para nos pronunciarmos sobre um determinado assunto e que, depois, vão fazer aquilo que estamos a aconselhar no livro ou que a personagem fez no livro.

Estando eu a lidar com dezenas de milhares de leitores, tenho muito cuidado com isso. Os autores de policiais sabem que os seus leitores já estão preparados para os relatos de mortes e de coisas macabras. Eu, ao longo da minha carreira, fui criando um registo e cada vez mais procuro ter esse cuidado. Mas não vou deixar de matar personagens por causa disso. A morte faz parte da vida. Mas não mato alguém só para ser dramático e porque vou emocionar as pessoas. Esse é o caminho mais fácil e acho que não vou por aí...

Falou há pouco na escolha dos títulos. É muito difícil encontrar o certo tendo em conta que há sempre uma mensagem que procura transmitir aos que o vão ler?

Este último foi fácil, por acaso. Era um título que andava na minha cabeça há muito empo. Foi o que eu sugeri e o que foi aceite. A dificuldade, por vezes, é maior porque, além de ter de passar uma mensagem para o leitor que eu ache que seja importante e que esteja alinhada com o conteúdo do livro, tem de ser atrativo e também tem a condicionante de ter de ter sempre seis palavras.

Os títulos dos meus livros têm todos o mesmo número de palavras. Pelo menos, os últimos, desde o "Os meus dias são para sempre". Essa é outra condicionante e todas as sugestões que eu seguir têm de ter esse requisito fundamental. Mas nunca penso no título antes de escrever um livro. Isso não acontece. Depois de o escrever é que vejo qual é que é a mensagem que está mais alinhada com a história. Às vezes, seleciono algumas opções e faço um estudo de mercado junto dos meus para ver de qual é que gostam mais...

Para além de ter de ter 300 páginas e um título com seis palavras, há assim mais alguma condicionante que autoimponha aos seus livros?

Sim, há algumas. Os meus romances, pelo menos os próximos, não garanto que será sempre assim porque entretanto posso cansar-me, têm de ter  300 páginas de história mais oito páginas de ficha técnica. E têm exatamente 50 capítulos. E todos os capítulos têm seis páginas. Os títulos têm sempre seis palavras. Nas capas dos livros, não se podem ver rostos e os nomes das personagens não podem ter acentos. Há toda uma série de condicionantes... [risos]

 Por que é que isso acontece?

Eu evito os acentos nos nomes porque dão muito trabalho a escrever. É mais um clique que tenho de dar... [sorri] E também porque os acentos criam ruído. Mesmo nos títulos, evito acentos. Eu tenho um livro que é o "Dá-me um dia para mudar a tua vida" que, além de um acento, tem um hífen e eu não gosto muito. Evito hífenes e acentos nos títulos.

Eu gosto de uma escrita limpa e, se repararem nos meus diálogos, eu não tenho travessões no meio do texto, não tenho parágrafos. Só tenho o paragrafo inicial. O texto é contínuo. Faço isso é para facilitar a minha escrita e para ter o meu texto o mais limpo possível. Também há pontuações que não ponho nem parêntesis.

Isto não tem nada a ver com o [escritor José] Saramago. Faço-o pelas razões que acabo de descrever. Tenho pontuação, como é óbvio, mas apenas a que entendo essencial e fundamental para se entender a escrita. Também substituo as aspas por itálicos, porque acho que a escrita fica mais limpa, mas não dificulto a leitura ao leitor. Todas estas coisas complicam-me um bocado o processo de escrita. Dão-me mais trabalho...

E no caso da ausência de rostos nas capas dos livros?

Eu procuro que as pessoas identifiquem com os meus personagens e, normalmente, elas vão buscar sempre a imagem que está na capa para fazer essa associação. Então, eu procuro evitar os rostos porque, assim, aquelas pessoas podem ser qualquer um de nós. Uma delas pode ser o próprio leitor...

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.