Um dos mais marcantes passos dados, nos últimos anos, na área da cirurgia plástica e da microcirurgia reconstrutiva - o primeiro transplante total de rosto -  ocorreu em Março, em Barcelona, no Hospital Universitário Vall D’Hebron.

Até se submeter a esta operação, Óscar, o espanhol que ficou gravemente desfigurado devido a um acidente com uma arma há cinco anos, passou por nove operações falhadas.

O acidente de que foi alvo, de acordo com a BBC News, tornara actos tão simples como respirar, comer ou falar impossíveis de concretizar de forma autónoma, sendo as suas funções vitais garantidas com a ajuda de dispositivos médicos. 

A importância deste avanço

O primeiro transplante facial (parcial) ocorreu em França, em 2005, (Isabelle Dinoire foi a francesa que o recebeu, depois de o seu próprio cão a ter desfigurado). Depois disso foram feitos dez procedimentos semelhantes mas todos a nível parcial.

Para Biscaia Fraga, director do serviço de cirurgia plástica maxilo-facial do Hospital Egas Moniz e da Clínica Biscaia Fraga, em Lisboa, este é «um avanço extremamente positivo tendo em conta que o rosto é um conjunto de estruturas muito complexas e variadas».

Uma operação complexa

A operação envolveu uma equipa multidisciplinar de 30 pessoas. Foi  necessário cerca de um dia para que o grupo de especialistas, liderado por Joan Pere Berret, conseguisse concluir com sucesso uma intervenção que, segundo a Fox News, levou dois anos a ser planeada.

A Organização Nacional de Transplantes (ONT) autorizou a intervenção em Agosto de 2009, mas o doador só surgiu em Março.

Antes do procedimento cirúrgico, o jovem passou por vários testes psiquiátricos para determinar se este teria condições psicológicas para receber um rosto completamente novo.

Biscaia Fraga explica que «para que o processo corra bem, as pessoas que se submetem a este tipo de intervenção têm de ter uma personalidade bem estruturada pois estamos a falar de receber uma nova face social, situação que poderá gerar problemas ao nível da própria identidade, caso a pessoa não esteja preparada».

Óscar recebeu uma nova pele e os músculos da cara, os lábios, os ossos do nariz, as maçãs do rosto, o maxilar superior, o palato, a mandíbula e todos os dentes. «Tratou-se de um transplante homólogo, sendo usado o rosto de um cadáver para fazer o reimplante. Para isso, foram utilizadas técnicas da microcirurgia reconstrutiva», refere o especialista.

Segundo o jornal El País, a equipa de cirurgiões teve de ligar quatro veias jugulares (no pescoço), adaptar os ossos extraídos e unir os músculos e os vasos sanguíneos. 

Complicações pós-cirurgia

Desde que recebeu o transplante, Óscar teve de superar duas rejeições agudas. A força deste espanhol teve de ser muita para ainda superar um acidente vascular cerebral.

Biscaia Fraga esclarece que este tipo de complicações é uma consequência natural deste tipo de cirurgia «pois há grandes dificuldades em manter a estrutura transplantada, dado que o organismo tende a rejeitá-la e, por isso, a pessoa que recebe o transplante terá de tomar imunossupressores».

Apesar de tudo, e de acordo com declarações que o líder da equipa médica que operou Óscar prestou à imprensa, «a evolução tem sido muito positiva, especialmente considerando todos os riscos e consequências possíveis».

Dificuldades actuais

As últimas notícias dão conta que Óscar ainda revela algumas dificuldades em falar e não consegue mastigar normalmente, dado que as terminações nervosas da boca levam mais tempo para se regenerar. Fechar os olhos é também ainda uma tarefa muito difícil.

Biscaia Fraga considera que «todo este processo evolutivo é normal e exige muito da própria pessoa». Em declarações ao El País, Joan Pere Barret afirma que «serão precisos cerca de 12 a 18 meses para que Óscar recupere cerca de 80% ou 90% das funções faciais».

Por isso mesmo, o primeiro homem a receber um transplante facial total continuará com sessões de fisioterapia, fonoaudiologia e terapia facial.

Os desafios da medicina

Apesar do impacto deste acontecimento, o primeiro transplante total do rosto é um assunto que tem gerado alguma controvérsia.

Segundo a BBC News, uma das críticas a esta intervenção baseia-se na explicação de que o tratamento contínuo que é exigido aos pacientes que recebem um transplante de rosto poderá deixá-los vulneráveis a outras doenças e problemas psicológicos.

«Quando se conseguir fazer o transplante de toda a estrutura facial de forma a evitar rejeições, recorrendo às células estaminais da própria pessoa, aí sim será dado um passo de gigante nesta área», conclui Biscaia Fraga.

Texto: Fabiana Bravo

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.