Imagine uma espécie de rede formada por uma película branca, semelhante à que encontra numa peça de carne, que envolve, separa, suporta, liga e protege todas as estruturas do seu corpo.

Assim é fáscia, uma bainha de tecido conjuntivo fibroso que atua como uma peça única, desde o crânio até às plantas dos pés. A fáscia dá forma ao corpo, transmitindo tensões, sustentando músculos e órgãos, inter-relacionando-os.

«É o nosso órgão sensorial mais rico, cheio de terminações nervosas, todas elas transmitindo informações precisas ao cérebro», revela Diogo Neves, osteopata habituado a lidar com este tipo de casos.

Os princípios desta terapia

Pressões diárias, posturas incorretas, choques emocionais, stress, traumatismos, cirurgias e respostas inflamatórias do organismo provocam tensão ao nível da fáscia. Estando diretamente ligado a órgãos e vísceras, este tecido vaiafetar todos os sistemas, resultando no mau  funcionamento das estruturas e provocando dor.

Segundo esta terapia, criada pela bioquímica Ida Rolf, nos anos 20, qualquer tensão aplicada numa área do corpo reflete-se na totalidade da rede fascial. Partindo destes princípios, a terapia miofascial implica a leitura do padrão postural do indivíduo e de eventuais movimentos padrão – dobrar, inclinar para ambos os lados e até respirar – com o objetivo de reajustar os tecidos.

O que acontece durante o tratamento

O terapeuta começa por, explica Diogo Neves, «ouvir as queixas do paciente e apurar dados  relevantes para o tratamento (profissão, hobbies, desportos praticados) para, depois passar ao  bodyreading». Avaliar o padrão postural permite relacionar as assimetrias com as queixas e as estruturas ou seja, a muscular e fascial.

«A partir daí, o terapeuta utiliza técnicas manuais para eliminar espasmos e tensões musculares que provoquem desequilíbrios, deixando depois o corpo assimilar a nova informação e readaptar-se», descreve o osteopata. Na sua essência, esta terapia envolve a aplicação de pressões suaves e  estratégicas, que atuam no tecido conectivo, sem recurso a cremes ou aparelhos.

Áreas de atuação

Dor crónica, dores de cabeça, problemas de coluna, como escoliose, hiperlordose, hipercifoses, estão entre os casos que mais podem beneficiar deste tipo de abordagem terapêutica. Os problemas posturais acabam por influenciar toda a dinâmica da fáscia, podendo vir a implicar compressão de nervos e da parte vascular.

Como exemplifica Diogo Neves, «uma pessoa que passe muito tempo ao computador e se queixe de dores de cabeça, beneficia muito deste tipo de terapia, uma vez que um músculo pode ser, e muitas vezes é mesmo, a causa do problema. Alguém com estas características tem um padrão postural típico, apresentando a cabeça numa  posição mais anterior do que o que seria desejável».

Quantas sessões são necessárias?

O número de sessões é
variável e depende do problema, mas é possível observar resultados logo a
partir do primeiro tratamento. Como conta Diogo Neves, «o objetivo do
paciente pode ser  unicamente eliminar os espasmos musculares e
consequente dor de cabeça, como pode estar em causa uma situação em que o
que se pretende é melhorar a postura, o que leva à necessidade de
realizar mais sessões e de começar a atuar desde os arcos plantares
localizados nos pés». Acrescente-se que 30 € é o valor da primeira
sessão, sendo que as seguintes custam 25 €.

Casos em que a terapia miofascial está contraindicada:

- Pessoas com cortes, feridas, fraturas ou erupções cutâneas.

- Doentes com neoplasias, aterosclerose, lúpus (fase aguda), artrite reumatoide (fase inflamatória) ou diabetes.

- Indivíduos com osteoporose ou sujeitos a tratamentos com cortisona.

- Grávidas.

O testemunho de quem experimentou

Aos
41 anos e consciente da forma como o excesso de peso afetava a sua
saúde, João Rebelo decidiu começar a correr. O bem-estar que esta
atividade lhe proporcionou levou-o, posteriormente, a participar em
corridas mais longas, de 10, 12, 14 quilómetros. Numa dessas maratonas
lesionou-se no pé direito, tendo-lhe sido diagnosticada pelo ortopedista
uma fascite plantar.

Foi então aconselhado a recorrer à terapia miofascial. Graças a um tratamento intensivo de dois meses conseguiu
controlar a sua lesão dolorosa. Hoje, para continuar a correr, faz
pontualmente sessões para prevenir possíveis lesões e recuperar após as
corridas. «A terapia miofascial permite-me levar uma vida normal, sem
dores e fazer as minhas corridas com segurança», diz João Rebelo.

Onde fazer

Para mais informações visite o site www.diogopneves.wordpress.com ou ligue para o 964 562 533.

Texto: Madalena Alçada Baptista com Diogo Neves (osteopata)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.