Os doentes respiratórios crónicos que têm doenças como a Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC), que engloba a Bronquite Crónica e o Enfisema, e também outras doenças como a asma, as bronquiectasias, a fibrose pulmonar e a fibrose quística, apresentam lesões nos pulmões (brônquios e/ou alvéolos). 
Estas provocam, habitualmente, queixas como o desconforto a respirar/falta de ar (dispneia), tosse e expetoração (catarro), cansaço a realizar as atividades do dia-a-dia e muitos doentes são mesmo incapazes de realizar atividades simples como tomar banho ou fazer a barba. 
O que pode ser feito para melhorar a vida das pessoas com doença respiratória crónica?
As opções terapêuticas são promover a cessação tabágica nos fumadores; a utilização de fármacos para reduzir os sintomas, a frequência e a gravidade das exacerbações; a utilização das vacinas influenza e pneumocócica; o apoio nutricional; a oxigenoterapia; a ventilação não-invasiva; e a reabilitação respiratória, que é considerada uma intervenção fundamental em todos os doentes com dispneia e com diminuição da tolerância ao esforço nas atividades do dia-a-dia. 
A Reabilitação Respiratória: O que é?
A Reabilitação Respiratória é uma intervenção abrangente e interdisciplinar dirigida aos doentes respiratórios crónicos, realizada por profissionais de saúde (médico, fisioterapeuta, psicólogo, enfermeiro, nutricionista, entre outros). Baseia-se numa avaliação rigorosa, que permite elaborar um programa de reabilitação individualizado, que inclui o exercício físico e educação, desenhados para melhorar a condição física e psicossocial e promover a adesão a longo prazo de comportamentos promotores de saúde.
Quais os benefícios?
A Reabilitação Respiratória tem sido muito investigada e os benefícios comprovados são o aumento da tolerância ao esforço, a melhoria da capacidade funcional para as tarefas diárias, a redução dos sintomas (dispneia, tosse, expetoração), a redução da ansiedade e depressão, a diminuição do número de hospitalizações, uma recuperação mais rápida após uma exacerbação, a melhoria da qualidade de vida, e uma maior eficácia do doente em gerir a sua doença. 

Como está estruturada?
A Reabilitação Respiratória assenta em três pilares: avaliação/controlo clínico, exercício físico e educação e deve estar estruturada num Programa. Este Programa deve ter uma duração mínima de 8 semanas, mas os mais longos (12 semanas ou superior) produzem benefícios mais duradouros, podendo ser realizados em meio hospitalar ou na comunidade (ex. Centros de Reabilitação Respiratória). 
O treino de exercício para ser eficaz deve partir de uma boa avaliação da capacidade física, para determinar a intensidade e tipo de treino a efetuar, e ser realizado pelo menos 3 vezes por semana (2 das sessões supervisionadas). O treino supervisionado e monitorizado é fundamental para o doente aprender a gerir o seu esforço e conhecer os seus limites, transferindo esta aprendizagem para o seu dia-a-dia.
A componente educativa do Programa é muito importante para facilitar a aquisição de competências que permitem ao doente gerir com mais eficácia a sua doença e as suas consequências. O programa educativo engloba várias sessões temáticas, que permitem informar, explicar, tranquilizar, orientar, autonomizar e responsabilizar o doente. 
Como manter os resultados do programa ao longo do tempo?
Depois de terminado o Programa de Reabilitação, os resultados da intervenção devem ser avaliados periodicamente e feito um acompanhamento ao longo do tempo, para estimular o doente a manter e adotar comportamentos promotores de saúde, como atividade física regular, uma boa nutrição e um adequado controlo da doença, sobretudo das exacerbações.
Apesar dos enormes benefícios da Reabilitação Respiratória, Portugal revela uma das mais baixas taxas estimadas de doentes em Programa de Reabilitação Respiratória que se conhece, com apenas cerca de 0,1%, que está provavelmente relacionada com uma reduzida referenciação, baixa adesão e a diminuta capacidade de resposta dos serviços de saúde públicos e privados. Para colmatar esta lacuna foi recentemente inaugurado em Lisboa um Centro especializado em Reabilitação Respiratória (AIR Care Centre da Linde Healthcare), que presta serviços ao doente respiratório crónico, focados na Reabilitação Respiratória, de forma integrada, interdisciplinar e de proximidade.
Por Paulo Abreu, Fisioterapeuta Coordenador Nacional do Programa de Reabilitação Respiratória da Linde Saúde
AIR Care Centre – Centro de Reabilitação Respiratória
air.carecentre@linde.com

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.