Um em cada 3.200 recém-nascidos é a taxa de prevalência do hipotiroidismo congénito em Portugal, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

A tiróide desempenha um importante papel na regulação do metabolismo celular. O seu funcionamento deficitário gera hipotiroidismo, uma doença que pode comprometer o organismo.

Trata-se de uma disfunção da glândula tiróide que resulta da produção insuficiente de hormonas tiroideias. Estas regulam o metabolismo celular, intervindo na frequência cardíaca, na tensão arterial e na temperatura corporal. A sua carência pode afectar todas as funções orgânicas, daí a necessidade de estar particularmente atento aos seus sintomas.

Causas

As causas mais frequentes de hipotiroidismo são a remoção cirúrgica, parcial ou total, da tiróide, as doenças inflamatórias ou imunológicas como as tiroidites (inflamação auto-imune da glândula tiroidea que produz bócio) e o tratamento com iodo radioactivo. A utilização de certos medicamentos para o tratamento da depressão e das arritmias cardíacas. O hipotiroidismo pode, também, derivar da escassez de iodo na alimentação, já que este mineral é indispensável para a síntese de hormonas tiroideias.

Sintomas

Os principais sintomas são o cansaço, a intolerância ao frio, a obstipação, o aumento de peso, a perda de cabelo, a secura e espessamento da pele e a dificuldade de concentração ou memorização (podendo ser confundido com quadros clínicos de demência).

Frequentemente, os doentes têm a sensação de formigueiro e sentem dor nas mãos. Na mulher, também podem aparecer alterações menstruais. Estes sintomas podem ser mais ou menos evidentes, dependendo do grau do hipotiroidismo e do seu tempo de evolução.

Tratamento

Assenta na prescrição de fármacos com hormonas tiroideias sintéticas (T3 e T4). A sua administração deve ser gradual, de forma a evitar efeitos secundários graves, sobretudo nos idosos. Geralmente, o doente com hipotiroidismo deverá fazer o tratamento durante toda a vida. A maior parte dos casos não têm cura, mas é fundamental seguir o tratamento.

Diagnóstico atempado

O hipotiroidismo pode ser tratado com êxito, mas se não for diagnosticado a tempo, pode produzir doenças graves do coração (cardiomiopatia e insuficiência cardíaca).

Além disso poderá provocar um grave coma mixedematoso que pode originar a morte do doente, devido à lentidão da respiração e redução da circulação sanguínea cerebral.

Alimentação equilibrada

Como esta doença implica um aumento de peso, é importante ter cuidados especiais com a alimentação, privilegiando as frutas, as verduras e as gorduras de qualidade. Não se recomenda, contudo, seguir uma alimentação restritiva, para evitar deficiências nutricionais. Para saber mais, consulte o site do Grupo de Estudo da Tiróide, da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, disponível em  www.spedm-tiroide.org.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.