A lesão de nervos, quer seja primária quer seja secundária, provoca alterações no sistema imunitário. Em estudos animais com dor crónica chegou-se à conclusão que há uma alteração do ADN nos glóbulos brancos e nas células cerebrais. Esta alteração vai influenciar a expressão genética de centenas de milhares de genes nestes animais.

Num estudo realizado em doentes com alterações da articulação temporomandibular, chegou-se à conclusão que estes doentes têm uma diminuição da função do sistema imunitário.

O motivo tem a ver com facto de o sistema imunitário mediar em parte a dor crónica, através da inflamação, que é um processo defensivo do nosso organismo mas que também pode provocar dor.

Atualmente sabe-se que o sistema imunitário que nos protege dos invasores do meio ambiente pode também provocar doenças autoimunes, caracterizadas por atacarem o próprio organismo. No caso da dor crónica pode ser uma das razões para que esta fique fora de controlo.

Os fatores pró-inflamatórios que são produzidos pelo sistema imunitário podem ser uma das razões para um aumento da intensidade da dor. A dor crónica coloca o nosso corpo em estado de alerta levando a um desgaste e esgotamento do cortisol, uma hormona responsável pelo bem-estar.

A tempestade de citoquinas

Os doentes graves com COVID-19 têm uma resposta inflamatória - a tempestade de citoquinas -  que pode causar a morte do doente, provocando edema pulmonar que impede que os pulmões forneçam oxigénio ao sangue. Existem outros órgãos que podem ser atingidos por este fenómeno. Esta é uma das razões porque algumas pessoas são mais atingidas que outras.

Os doentes com excesso de peso, triglicéridos altos, pré-diabéticos ou hipertensos têm aquilo que se chama em medicina de síndrome metabólico. Estes doentes são maios propensos a ter uma forma grave da COVID-19. Estes doentes já estão, pela sua condição, num estado de inflamação sistémica o que facilita a forma grave da doença.

Como é que a dor crónica influencia a inflamação no nosso corpo?

Sabemos que o doente com inflamação sistémica tem maior incidência de dor lombar e dor ciática. Sabemos também que valores elevados de fatores pró-inflamatórios correlacionam-se com o nível de dor do doente.

Assim um doente com dor crónica poderá ter um nível elevado de inflamação sistémica e isto poderá aumentar o risco de desenvolver uma forma grave de COVID-19.

O que se pode fazer?

Tratar a causa da dor e não deixar que a dor se mantenha por muito tempo.

O sucesso do tratamento da dor depende da precocidade do tratamento.

Adotar um estilo de visa saudável elimina os fatores de risco descritos acima. 

Um artigo do médico Armando Barbosa, anestesiologista e especialista no tratamento da dor nas Clínicas PainCare.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.