O sistema imunitário é o mecanismo que o corpo utiliza para nos colocar a salvo de vírus e bactérias. Este é um sistema incrivelmente poderoso – muito mais forte e eficiente do que o que as pessoas possam pensar – sempre que entra um microorganismo que possa atacar o nosso corpo é o sistema imunitário que imediatamente o destrói, por isso é um mecanismo que “nunca dorme” para evitar ao máximo que fiquemos doentes.

A ansiedade tem uma relação complexa com o sistema imunitário, existindo dados que mostram que muita ansiedade pode na verdade enfraquecer o sistema imunitário de forma dramática. Quando falamos em ansiedade, estamos a falar em stress a longo prazo, que promove a produção de uma hormona chamada cortisol, mesmo que a ansiedade apareça de forma intermitente.

Inicialmente o cortisol enfraquece o sistema imunitário por uma boa razão, tenta automaticamente eliminar o stress a que o corpo está sujeito. Quando o corpo se sujeita a longos períodos de intenso stress, o cortisol tenta ajudar reduzindo a inflamação natural do corpo, tornando o organismo resistente ao próprio cortisol e não lhe respondendo de forma apropriada. Isto, por sua vez, vai gerar períodos mais longos de inflamação no corpo, promovendo um estado crónico de inflamação que vai prejudicar e muito a resposta natural do sistema imunitário a vírus e bactérias.

Não é, por isso, de estranhar que pessoas com muita ansiedade estejam mais sujeitas a fadiga intensa, constipações, problemas cardiovasculares, podendo promover um envelhecimento antecipado. A ansiedade vai também provocar um aumento da tensão arterial, ritmo cardíaco, adrenalina, entre outras substâncias no corpo.

Curiosamente, algumas estratégias como o Mindfulness (forma de meditação) ao mesmo tempo que reduz o stress crónico, actuam no sistema imunitário, promovendo mudanças na resposta inflamatória a longo prazo (inclusive com manifestação genética).

O Exercício físico, conhecido como outra forma de regular a ansiedade, quando praticado regularmente promove a libertação de substâncias que melhoram o humor (combatendo estados de stress crónico e promovendo uma melhor acção do sistema imunitário), gastando energia excessiva que pode estar a contribuir para a manutenção da ansiedade.

O acompanhamento psicológico vai ajudar a pessoa a descobrir os padrões cognitivos, relacionais, comportamentais e afectivos que estão a manter a ansiedade. São também promovidas rotinas e estilos de vida mais saudáveis, que reduzam os níveis de cortisol e promovam o fortalecimento do sistema imunitário.

Ana Sousa

Psicóloga Clínica

Psinove – Inovamos a Psicologia

www.psinove.com

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.