Com uma grande facilidade e reduzido tempo de preparação, o forno micro-ondas tem ganho ao longo dos tempos um lugar obrigatório nas cozinhas de cada um. Uma das questões levantadas por muitos utilizadores é se as ondas libertadas por este dispositivo são nocivas, ou não, para o nosso organismo.

O forno micro-ondas aquece os alimentos utilizando as micro ondas, uma forma de radiação similar às ondas rádio. Estas são refletidas no metal, atravessam o vidro, papel, plástico, e materiais similares e, por fim, são absorvidas pelos alimentos.

Estas ondas são radiações não-ionizantes, logo não possuem o mesmo risco que os raio-x ou outro tipo de radiação. No entanto, estas podem aquecer o tecido do corpo humano como aquecem dos alimentos, logo, a sua exposição pode levar a queimaduras da pele ou cataratas. Os fornos microondas normalmente utilizados, estão sujeitos a certificação e mantêm a segurança do mesmo. Deste modo, a possível exposição a esta radiação só poderá ocorrer se o forno microondas estiver danificado.

Como funciona o micro-ondas? Dentro deste aparelho existe um dispositivo que produz estas radiações que, ao refletirem no metal que está no seu interior, provocam uma vibração nas moléculas de água presentes nos alimentos. Esta vibração provoca uma fricção entre as moléculas que produzem energia em forma de calor, este calor é que aquece o alimento.

O forno elétrico convencional está muitas vezes associado como a forma de se confecionar os alimentos de uma forma mais saudável quando comparada com o forno microondas.

Que alterações existem nos nutrientes? Alguns nutrientes, como a Vitamina C, quando atingem certas temperaturas irão ser degradados, qualquer que seja o método de aquecimento. No entanto, os nutrientes podem ser preservados de uma forma mais eficiente quando cozinhados em reduzido espaço de tempo a temperaturas muito altas. Podem ainda ser preservados quando baixos volumes de água são utilizados para os confecionar.

Para preservar os nutrientes dos vegetais sugere-se que os mesmos sejam cozinhados com casca e que sejam utilizadas porções grandes. Sugere-se ainda que os alimentos estejam tapados para que estes criem vapor o que reduz o tempo de confeção, visto que ao longo do tempo de confeção, especialmente a altas temperaturas, as proteínas podem desnaturar (começando a desdobrar-se e a estender-se).

Vários estudos comprovam que a utilização do forno micro-ondas não é nociva tanto para o utilizador como em termos nutricionais para o alimento. Existe sim a degradação de alguns nutrientes pelo aumento da temperatura mas estes ocorrem tanto no forno microondas como no forno elétrico convencional, sendo que o forno micro-ondas tem um maior sucesso na preservação de alguns desses nutrientes, pela rapidez de aquecimento.

O ideal será variar ao máximo a dieta alimentar tanto pelo tipo de alimentos como o tipo de confeção dos mesmos.

Ricardo Ferreira

Holmes Place Miraflores

Bibliografia:

http://www.fda.gov/Radiation-EmittingProducts/RadiationEmittingProductsandProcedures/HomeBusinessandEntertainment/ucm116385.htm

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2775405

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3894486

http://www.livestrong.com/article/368262-do-microwave-ovens-destroy-food-nutrients/

http://labvirtual.eq.uc.pt/siteJoomla/index.php?option=com_content&task=view&id=248&Itemid=422

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.