O deputado da Assembleia Legislativa (AL) afirmou ainda que os residentes de Macau que regressem ao território deveriam ser colocados em quarentena pelas autoridades.

“Todos os residentes que voltassem para Macau estariam sujeitos a uma quarentena obrigatória com o fim de evitar a propagação do vírus”, sustentou.

Por outro lado, ressalvou, “a circulação de bens e mercadorias teria de ser assegurada”, uma medida que afirmou ser fácil de colocar em prática, já que as empresas que garantem o fornecimento de produtos essenciais para o território “estão identificadas”.

“O que está em causa é a saúde da população de Macau e, de uma maneira geral, fechar as fronteiras é uma medida correta, preventiva, séria”, frisou, já que permitiria garantir “um maior controlo da população que anda de um lado para o outro”, apesar de neste momento se registar um menor fluxo.

O primeiro caso de infeção do novo coronavírus em Macau já teve alta médica, disse hoje à Lusa fonte dos Serviços de Saúde do território.

A turista chinesa, de 52 anos, que tinha entrado no território em 19 de janeiro, encontrava-se internada no Centro Hospitalar Conde de São Januário desde 21 de janeiro.

Com esta decisão, Macau passa de 10 para nove casos confirmados.

O Governo de Macau enviou milhares de funcionários públicos para casa, onde continuam a trabalhar, mas à distância, outra das soluções para combater os perigos do surto que começou numa cidade do centro da China, Wuhan, capital da província de Hubei.

Macau fechou os casinos e anunciou o encerramento de espaços culturais e desportivos, bem como de todo o tipo de negócios, o que praticamente está a paralisar a economia.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.