O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) afirmou hoje que os médicos e a sociedade devem discutir e criar consensos sobre a atitude a ter com os doentes que estão na fase terminal da vida.

“Os médicos são preparados para lidar, defender e preservar a vida, embora, todos os dias tenham de se confrontar com a vida e a morte”, mas nem sempre estão preparados para dialogar com os doentes terminais e as famílias, disse à agência Lusa José Manuel Silva, a propósito do debate com o tema “Fim da vida”, promovido pela OM e que decorre hoje à noite em Lisboa.

Caos nos Centros de Saúde: Ordem dos Médicos fala em "profunda incompetência" na resposta ao surto de gripe
Caos nos Centros de Saúde: Ordem dos Médicos fala em "profunda incompetência" na resposta ao surto de gripe
Ver artigo

Normalmente, os médicos não têm uma preparação específica na sua formação para conversar com os doentes, cuja perspetiva de recuperação do estado de saúde já não existe e se aproximam do processo de morte.

“Daí que tenha muita importância a questão dos cuidados paliativos, mas é preciso também que os médicos e a sociedade discutam, conversem e consensualizem sobre qual a atitude a ter em doentes que estão no processo final de vida”, defendeu.

Para quem não acredita em gestão passiva

Para quem não acredita em gestão passiva

Para quem não acredita em gestão passiva

Para quem não acredita em gestão passiva

Para quem não acredita em gestão passiva

Se prefere um fundo de gestão ativa, invista no Goldman Sachs Global CORE Equity Portfolio E Close: é o melhor fundo de ações mundiais. Este fundo é comercializado em exclusivo pelo ActivoBank, mas o Best e o Banco Invest têm um fundo pouco diferente, o Goldman Sachs Global CORE Equity Portfolio E Snap.

Goldman Sachs Global CORE Equity Portfolio E Close
ISIN: LU0257370246
Rentabilidade anual:

  1. 1 ano: 8,17%
  2. 3 anos: 11,43%
  3. 5 anos: 16,63%
  4. 10 anos: 6,97%

Classe de risco (1 a 7): 5

Taxa de encargos correntes: 1,95%
Montante mínimo:

  • Primeira subscrição: 1.500€
  • Subscrições seguintes: 1.500€
    Comercialização: ActivoBank

O bastonário lembrou que trabalhar em cuidados paliativos é mais uma “competência humana” do que técnica: A principal questão é “lidar com o doente que vai morrer e com a família que vai perder um ente querido”.

Para José Manuel Silva, é um “ambiente extraordinariamente complexo e amplo” que se coloca perante os médicos que trabalham nos cuidados paliativos. Por essa razão, a OM criou uma competência em cuidados paliativos.

“Todos os médicos têm de enfrentar a morte dos seus doentes. Portanto, é uma vertente muito importante da sua formação saber falar com o doente que vai morrer, ouvir as suas angústias, as suas preocupações, os seus desejos, aquilo que pretende que seja feito e respeitar essa vontade”, sublinhou.

Ressalvou que, apesar da preparação nuclear dos médicos ser “toda virada para a vida e ter pouca preparação para a morte, as coisas têm evoluído”.

O debate de hoje pretende colocar em discussão o tema “fim da vida”, que “levanta sempre muitos tabus, muitas reservas, muitas dificuldades e muita emotividade, porque tem a ver com o mais íntimo das pessoas que é a vontade de viver e o direito à vida”.

Para o bastonário, tudo o que envolve a morte deve ser “claramente e objetivamente” discutido na sua vertente ética, deontológica, humana, religiosa, jurídica.

“Todos esses aspetos devem ser considerados quando chega o fim da vida de alguém e é preciso tomar uma decisão”, frisou.

Lembrou que este tema está relacionado com o testamento vital ou com o testamento antecipado de vontade, que está previsto no Código Deontológico dos médicos, que têm de “respeitar a vontade, as preferências e os desejos dos doentes”.

O debate está inserido num ciclo de debates mensais que a OM está a realizar sobre temas da atualidade.

15 de maio de 2012

@Lusa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.