O tribunal decidiu que o julgamento deve decorrer com exclusão de publicidade por estarem em causa crimes de natureza sexual.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), os crimes tiveram lugar em ambiente hospitalar, no Centro Universitário Hospitalar Cova da Beira (CHUCB), na Covilhã, onde o arguido, médico ortopedista, exercia funções.

De acordo com a informação, que foi disponibilizada em maio no sítio na Internet da Procuradoria, os factos ocorreram entre janeiro e outubro de 2020.

“O arguido encontra-se sujeito às medidas de coação de suspensão do exercício da profissão de médico e de proibição de contactar, por qualquer meio, direta ou indiretamente, com as vítimas identificadas no processo”, apontava na nota.

Em julho de 2021, na sequência da detenção do médico, a Polícia Judiciária (PJ) da Guarda explicava que estavam em causa três vítimas diferentes.

Na mesma altura, o CHUCB informou que, depois de ter recebido participações de duas utentes, abriu um processo de inquérito e que deu conhecimento do teor das mesmas à Ordem dos Médicos e à Polícia Judiciária.

O inquérito foi dirigido pelo Departamento de Instrução e Ação penal de Castelo Branco, com a coadjuvação do Departamento de Investigação Criminal da PJ da Guarda.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.