A campanha vai incidir sobre oito distritos da província de Nampula (região Norte), seis da Zambézia (Centro), dois de Inhambane, igual número em Gaza e oito em Maputo (Sul), afirmou Nazira Abdula, citada hoje pelo diário Notícias.

As cinco províncias são as mais afetadas pela malária em Moçambique.

A medida visa “reduzir a densidade do mosquito transmissor da malária” e “reduzir o seu tempo de vida”, acrescentou.

A campanha, conhecida por Pulverização Intradomiciliária (PIDOM) vai durar 17 semanas e complementa outras iniciativas de combate à doença, incluindo a distribuição de redes mosquiteiras nas zonas mais afetadas.

De janeiro a junho deste ano, 425 pessoas morreram vítimas de malária em Moçambique dos 3.818.391 casos notificados, contra 545 mortes e 3.694.873 casos contabilizados em igual período do ano passado, referem dados do Ministério da Saúde.

Há depois muitos casos não registados e os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) estimam que Moçambique seja o terceiro país do mundo com mais casos de malária (5% do total global) e o oitavo onde a doença mais mata (3% de todas as mortes), de acordo com o último relatório mundial, apresentado há um ano.

A OMS estima que tenha havido entre 12.200 a 17.200 mortes provocadas por malária em 2017 em Moçambique, valores em queda desde 2010, ano em que o intervalo variava entre 14.200 a 20.900 mortes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.