Imagens divulgadas pela televisão japonesa mostraram vários especialistas do serviço médico que na segunda-feira entraram no navio Diamond Princess, ancorado no porto de Yokohama, para verificar a saúde dos 2.500 passageiros e 1.000 tripulantes.

A decisão de impor quarentena foi adotada após um passageiro de 80 anos desembarcado em Hong Kong ter sido diagnosticado com o novo coronavírus.

Uma mulher de vinte anos que está a viajar com a mãe no navio disse à emissora de televisão TBS que todos os passageiros "foram orientados a ficar nos seus quartos para aguardar exames médicos".

Desde sábado, o Japão passou a proibir a entrada de estrangeiros que estiveram na província chinesa de Hubei, epicentro do surto ou de portadores de passaportes chineses emitidos na localidade.

O Ministério da Saúde informou na segunda-feira que 20 pessoas no Japão apresentaram resultados positivos para a presença do coronavírus.

A China elevou hoje para 426 mortos e mais de 20.400 infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus (2019-nCoV) detetado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro), colocada sob quarentena.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há mais casos de infeção confirmados em 24 outros países.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quinta-feira uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, o que pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.