O procedimento realizado pela equipa de Nefrologia de Intervenção do Serviço de Nefrologia, liderada pelo nefrologista Nuno Afonso, com o apoio da Unidade de Hemodinâmica do Serviço de Cardiologia e do Serviço de Cirurgia Vascular, consistiu na desobstrução de uma oclusão completa de uma veia central para a colocação de um dispositivo vascular.

"Este procedimento utilizou pela primeira vez em Portugal um dispositivo e uma técnica pioneiras, o Surfacer®, que nos irá permitir alargar o leque de opções técnicas para a resolução de situações limite em termos de acessos vasculares em doentes em hemodiálise", salientou o diretor do Serviço de Nefrologia, Rui Alves, citado num comunicado do CHUC enviado à agência Lusa.

Filipe faz hemodiálise três vezes por semana. Mas isso não o impede de dar a volta ao mundo
Filipe faz hemodiálise três vezes por semana. Mas isso não o impede de dar a volta ao mundo
Ver artigo

Segundo o especialista, "o esgotamento de acessos vasculares tem tido um especial enfoque nesta subpopulação de doentes em hemodiálise, que possui a maior casuística nacional na implantação de outro dispositivo endovascular - a prótese HeRO (Hemodialysis Reliable Outflow)".

De acordo com o CHUC, a Unidade de Nefrologia de Intervenção do CHUC tem funcionado desde 2012 com o apoio essencial do Serviço de Cardiologia (Unidade de Hemodinâmica), e também do Serviço de Cirurgia Vascular, tendo realizado, desde então, mais de 500 procedimentos na aplicação da prótese HeRO.

Em Portugal, existem cerca de 12.000 doentes a realizar hemodiálise regular e estima-se que entre 15 a 20% possam ter oclusões completas de veias centrais que dificultem a obtenção de um acesso venoso para a realização desta técnica.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.