"A pneumonia pode deixar sequelas irreversíveis ou mesmo levar à morte e reforça a importância de apostarmos na sua prevenção através da vacinação antipneumocócica, um ato com ganhos quantitativos e qualitativos, transversais à sociedade", frisa o MOVA – Movimento Doentes Pela Vacinação no âmbito do Dia Mundial da Pneumonia que se celebre no dia 12 de novembro.

"Trabalhamos diariamente para alterar esta tendência – sobretudo porque a maioria dos casos pode ser evitada. Contrair uma pneumonia é sempre grave, qualquer que seja a altura do ano, mas se a contrairmos em pleno pico de gripe e em contexto de pandemia, será francamente pior. Não devemos arriscar. Façamos a nossa parte, apostando na vacinação", afirma Isabel Saraiva, fundadora do MOVA.

Investir na vacinação individual é também investir em saúde pública, prevenir internamentos e contribuir para a diminuição do recurso aos serviços de saúde, nesta fase, sobrecarregados, explica a MOVA em comunicado.

Interação mortífera

A estatística mostra que a interação entre o vírus da gripe e o pneumococo – a bactéria responsável pela maioria dos casos de pneumonia – aumenta em dezenas de vezes o risco de contrairmos a doença. Num ano em que se espera um agravamento da gravidade dos casos de Gripe, devemos estar particularmente atentos e proteger-nos também contra a Pneumonia, uma doença grave e potencialmente fatal.

As correntes de ar causam pneumonia? As explicações de um médico
As correntes de ar causam pneumonia? As explicações de um médico
Ver artigo

Apesar de ser prevenível através de vacinação, a pneumonia mata, todos os dias, uma média de 13 pessoas em Portugal e representa 4,2% da mortalidade ocorrida em 2019, segundo o INE.

Segundo o MOVA, em maior risco de desenvolve a doença estão "as crianças pequenas, as pessoas com mais de 65 anos, e os adultos portadores de doenças crónicas como diabetes, asma, DPOC, outras doenças respiratórias crónicas, doença cardíaca, doença hepática crónica, doentes oncológicos, portadores de VIH e doentes renais".

Sequelas permanentes

A pneumonia pode deixar sequelas permanentes, que reduzem drasticamente a qualidade de vida de quem a contraiu. Bronquiectasias (deformação dos brônquios) e compromisso da função pulmonar são apenas dois exemplos, tal como a permanência de tosse, expetoração ou falta de ar. Podemos evitar grande parte das Pneumonias e respetivas sequelas através de vacinação.

Para o MOVA, a vacinação deve ser uma prioridade em todas as fases da vida. No caso particular da Pneumonia, a vacinação antipneumocócica está recomendada pela Direção Geral da Saúde a todos os adultos com idade igual ou superior a 65 anos e a todos os adultos pertencentes aos grupos de risco – idosos, pessoas com doenças crónicas como diabetes, asma, DPOC, outras doenças respiratórias crónicas, doença cardíaca, doença hepática crónica, doentes oncológicos, portadores de VIH e doentes renais.

A vacina é gratuita para as crianças e alguns segmentos de adultos, para quem já se encontra em PNV, e é parcialmente comparticipada pelo estado para a restante população. A sua eficácia está comprovada em todas as faixas etárias, incluindo na prevenção das formas mais graves da doença.

A proteção dos grupos de risco através de imunização é uma das grandes causas do Movimento Doentes pela Vacinação. Composto por especialistas e associações de doentes, o movimento de cidadania apela à acessibilidade da vacina a pessoas que se encontrem em situações de maior fragilidade.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.