4 de abril de 2013 - 09h53 
A demência tem custos anuais superiores aos do cancro ou das doenças de coração nos Estados Unidos, indicou um estudo divulgado na quarta-feira, que os situa entre 157 mil milhões e 215 mil milhões de dólares.
Muitos dos custos originam-se nos cuidados de longo-prazo e a sua dimensão deve mais do que duplicar até 2040, apuraram os autores do estudo, promovido pela RAND Corporation, publicado na edição de 4 de abril do New England Journal of Medicine.
“O custo económico de cuidar das pessoas nos Estados Unidos com demência é grande e está a aumentar”, afirmou Michael Hurd, o principal autor do estudo e economista sénior na RAND.
“O que apurámos sublinha a urgência dos recentes esforços federais para desenvolver um plano que responda ao impacto crescente da demência na sociedade norte-americana”, acrescentou.
Cerca de 5,3 milhões de norte-americanos sofrem da doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência, segundo o Centro para o Controlo e a Prevenção da Doença (CDC).
Espera-se que em 2050 o número de pessoas com Alzheimer duplique, devido ao envelhecimento da população, pelas estimativas do CDC.
O Presidente Barack Obama assinou uma lei sobre a doença de Alzheimer, que entre outros objetivos visa apurar os custos sociais e orçamentais da doença.
A demência afeta cerca de 15% das pessoas com mais de 70 anos e tem um custo anual estimado por pessoa entre 41 mil (32 mil euros) e 56 mil dólares, quantifica-se no estudo.
“Os nossos cálculos sugerem que o envelhecimento da população norte-americana resulte num aumento de cerca de 80% dos custos sociais totais por adulto em 2040”, disse Hurd.
“As nossas estimativas colocam a demência entre as doenças que mais custam à sociedade”, especificou.
Quando os investigadores consideraram apenas as despesas diretas com cuidados de saúde, e não o custo dos cuidados informais, os custos anuais da demência foram estimados em 109 mil milhões de dólares, que comparam com 102 mil milhões para as doenças de coração e 77 mil milhões de dólares para o cancro.
Os cuidados informais com os doentes com demência aumentam os custos, adiantaram os autores do estudo.
“Muito do custo é cuidado informal e fora das despesas contabilizadas”, disse Mary Sano, diretor do Centro de Investigação da Doença de Alzheimer no Centro Médico do Monte Sinai, em Nova Iorque.
Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.