“As imagens estão gravadas, eu não disse obviamente que o problema das urgências era a culpa dos portugueses. […] Eu não disse, ponto”, afirmou na Assembleia da República. António Costa falava durante o debate quinzenal, em resposta ao deputado André Ventura.

O chefe de Governo disse ter falado numa “realidade estatística”, que demonstra haver “em Portugal um recurso às urgências que é mais do dobro da média da OCDE”.

“E que isso implica necessariamente uma nova metodologia de encaminhamento e de referenciação para que as pessoas possam ter a assistência que necessitam de ter o mais próximo da sua casa, ou seja, na sua unidade local de saúde, e não terem a necessidade de ir para o hospital. Foi isto que eu disse”, salientou.

O primeiro-ministro defendeu também “maior racionalidade nos serviços de urgência”.

“Isso significa que nós temos que organizar melhor as urgências, de uma forma mais racional, sobretudo nas grandes cidades”, afirmou, considerando igualmente ser necessário “racionalizar o número de profissionais que tem de estar de escala em cada urgência” para aproximar Portugal dos padrões internacionais.

Na sua intervenção, o líder do Chega questionou António Costa se disse ou não “que a culpa dos atrasos nas urgências é porque há utentes a mais”, mas, ainda antes da resposta, acusou o chefe de Governo de dizer “aos portugueses para não irem às urgências”.

André Ventura afirmou também que o primeiro-ministro é “o destruidor do Serviço Nacional de Saúde e do sistema privado de saúde”.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.