Os olhos esbugalhados e as costelas pressionadas contra a pele são uma imagem aterradora, mas a dura realidade de milhares de crianças em Tigray.

Surafeal Mearig é uma das muitas crianças que sofrem de desnutrição grave por causa da guerra civil que dura há 14 meses naquela região no norte da Etiópia e que se espalhou para as áreas vizinhas de Afar e Amhara.

O pediatra de Surafeal no Ayder Referrel Hospital, na capital de Tigray, Makele, disse à agência de notícias Reuters que a criança pesa 2,3 quilos, um quilo menos do que tinha quando nasceu.

De acordo com as notas médicas publicadas pela equipa do hospital, o leite da mãe - também ela desnutrida - secou e os pais, ambos desempregados, não podem comprar leite em pó. Tudo isto acontece numa altura em que o hospital onde Surafeal Mearig recebe tratamento médico está a ficar sem alimentos para tratar crianças como ele.

"Já se passaram seis meses desde que recebemos o ultimo suprimento de Addis Abeba [a capital federal da Etiópia]", disse um médico do hospital à BBC sob condição de anonimato.

Esta semana, a equipe médica do Hospital Ayder apresentou um relatório às agências internacionais com um pedido de ajuda muito claro - é preciso acabar com o bloqueio nacional que estão a fazer àquela região. Segundo a equipa, mais de 40% das crianças com menos de cinco anos que chegam ao hospital estão desnutridas, o dobro da taxa de 2019.

Os médicos do maior hospital de Tigray condenaram as mortes "desnecessárias" de pacientes devido à escassez de medicamentos e equipamento médico. A falta de oxigénio, fluidos intravenosos e mesmo peças sobressalentes para equipamento médico tornaram as operações cirúrgicas praticamente impossíveis nos últimos seis meses, afirmam os médicos do Ayder Referrel Hospital.

"Como resultado, crianças estão a ser deixadas a morrer, doentes com cancro tratáveis não estão a receber cuidados, doentes com fraturas são forçados a permanecer imobilizados", acrescentaram as mesmas fontes.

"Os pacientes estão a morrer quando poderiam ter sido facilmente salvos por uma simples hemodiálise. Os doentes que há anos recebem diálise no nosso hospital estão a morrer porque o equipamento que deveria ter chegado até nós, não pôde chegar", lamentaram ainda os médicos tigray.

O acesso ao estado do norte da Etiópia é restrito e a informação dada pelos médicos não pôde ser confirmada de forma independente. Mas a região está toda sujeita a um ‘blackout’ das comunicações e as Nações Unidas já denunciaram o "efetivo bloqueio" à chegada da ajuda humanitária destinada aos seis milhões de habitantes do Tigray.

Nenhum camião de ajuda humanitária chegou a Tigray desde 14 de dezembro e alguns camiões que estavam à espera de entrar na região foram saqueados, denunciou no início do ano o Gabinete da ONU para a Coordenação dos Assuntos Humanitários, OCHA.

OMS pede "acesso humanitário incondicional"

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, natural do estado etíope de Tigray, apelou hoje às autoridades em Adis Abeba para garantirem o "acesso humanitário incondicional" à região onde nasceu, devastada pela guerra. “A OMS não é autorizada desde meados de julho do ano passado a entregar material médico em Tigray", apesar dos repetidos pedidos para fornecer equipamento médico à região, que ajude a satisfazer algumas das suas necessidades humanitárias e sanitárias, afirmou o líder da OMS numa conferência de imprensa da organização em Genebra.

"Mesmo nos tempos mais difíceis dos conflitos na Síria, Sul do Sudão, Iémen e noutros lugares, a OMS e os seus parceiros conseguiram salvar vidas", disse Tedros, sublinhando em contrapartida que em Tigray, "o bloqueio de facto está a impedir o acesso a fornecimentos humanitários" e "a matar pessoas".

A título de exemplo, não obstante a organização ter conseguido enviar 14 toneladas de material médico para Afar e 70 toneladas para Amhara em dezembro, os dois estados vizinhos do Tigray no norte da Etiópia, esta ajuda não chega à região que mais necessita dela, acusou Tedros Adhanom Ghebreyesus. "O Ano Novo é uma época de renovação", afirmou, antes de apelar a "todos os líderes e intervenientes-chave nos conflitos para que se lembrem de que aqueles que trabalham pela paz são os heróis de que a história se lembra”.

"Para criar confiança e salvar vidas, um bom ponto de partida é assegurar que os corredores humanitários e de saúde estejam abertos em todas as áreas de conflito, para que as agências internacionais e os grupos da sociedade civil possam fazer o que fazem melhor: salvar vidas", sublinhou o diretor-geral da OMS.

A guerra no Tigray eclodiu em 04 de novembro de 2020, quando o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, enviou o exército federal para aquele estado no norte do país, com a missão de retirar pela força as autoridades locais da Frente de Libertação do Povo de Tigray (TPLF, na sigla em inglês) que vinham a desafiar a autoridade de Adis Abeba há muitos meses.

O pretexto específico da invasão foi um alegado ataque das forças estaduais a uma base militar federal no Tigray, e a operação foi inicialmente caracterizada por Adis Abeba como uma missão de polícia, que tinha como objetivo restabelecer a ordem constitucional e conduzir perante a justiça os responsáveis pela sua perturbação continuada.

Abiy Ahmed declarou vitória três semanas depois da invasão, quando o exército federal capturou a capital estadual, Mekele. Em junho deste ano, porém, as forças afetas à TPLF já tinham retomado a maior parte do território do estado do Tigray, e continuaram a ofensiva nos estados vizinhos de Amhara e Afar.

Em novembro, as forças do Tigray e forças insurgentes aliadas da Oromia (outro estado etíope) começaram a retirar das áreas ocupadas para a região de origem. Em contrapartida, o poder em Adis Abeba comprometeu-se em não voltar a invadir o estado pária.

O exército federal está nas fronteiras de Tigray e retomou o controlo de várias posições anteriormente nas mãos das forças da TPLF em Amhara e Afar.

O conflito na Etiópia provocou a morte de vários milhares de pessoas e fez mais de dois milhões de deslocados, deixando ainda centenas de milhares de etíopes em condições de quase fome, de acordo com a ONU.

Com Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.