Aprovado por 190 votos a favor, 154 contra e 5 abstenções, o texto também reforça o acesso ao aborto em hospitais públicos, um direito ainda cheio de obstáculos neste país de forte tradição católica.

A proposta terá agora que ser votada pelo Senado e, se for modificada lá, vai precisar de regressar ao Congresso dos Deputados, antes de se tornar lei.

“Esta é definitivamente uma legislatura de avanços feministas”, celebrou a ministra da Igualdade, Irene Montero, do partido de esquerda Podemos, aliado dos socialistas do presidente Pedro Sánchez dentro do governo de coligação.

“Reconhecemos também a saúde menstrual como parte do direito à saúde e combatemos o estigma e o silêncio”, acrescentou perante os deputados.

Apesar de Montero ter indicado há meses atrás que essa licença, que os médicos podem conceder a mulheres cujos períodos menstruais são particularmente dolorosos ou incapacitantes, não teria duração limitada, o projeto de lei não contém nenhuma especificação sobre a sua extensão.

Medida polémica

Quando o texto for definitivamente aprovado, Espanha tornar-se-á o primeiro país da Europa, e um dos poucos do mundo, a incorporar essa medida na sua legislação, como já fizeram o Japão, Indonésia e Zâmbia.

A licença menstrual gera, no entanto, reticências em vários setores, como o sindicato UGT, um dos maiores do país, que manifestou a sua preocupação de que isso leve a desconfianças dos empregadores e representem uma trava à contratação de mulheres.

Esta lei "causará efeitos opostos para as mulheres", podendo gerar "reações de marginalização ou estigmatização", além de "consequências negativas no mercado de trabalho", criticou Marta González, deputada do Partido Popular (PP, direita).

A licença menstrual é uma das medidas de um projeto de lei muito maior que também pretende fortalecer o acesso ao aborto em hospitais públicos, que realizam menos de 15% dessas intervenções em Espanha devido à maciça objeção de consciência dos médicos.

Atualmente, as mulheres em certas áreas do país têm que percorrer centenas de quil´metros para interromper uma gestação, devido à falta de serviços públicos e clínicas especializadas nas suas proximidades.

O texto também deve permitir que jovens de 16 e 17 anos abortem sem autorização dos pais, revertendo uma obrigação estabelecida por um governo conservador anterior em 2015.

Descriminalizada em Espanha em 1985 e legalizada em 2010, a interrupção voluntária da gravidez continua repleta de empecilhos num contexto de tradição católica profundamente enraizada.

O projeto de lei prevê ainda o reforço da educação sexual nas escolas, bem como a distribuição gratuita de meios contracetivos e produtos de higiene menstrual nos colégios secundários.

Espanha é um país considerado referência no campo dos direitos das mulheres na Europa, especialmente desde a adoção, em 2004, de uma lei sobre violência de género. Reivindicando-se feminista, o governo Sánchez tem mais mulheres do que homens.

Veja ainda: Mulheres com o período não devem fazer bolos? 30 verdades e mitos sobre a menstruação

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.