Os dados, a que a Lusa teve acesso, indicam que o número médio de doentes covid-19 internados entre abril e outubro em hospitais com capacidade para 300 camas é de 42 doentes/dia/mês, enquanto o dos hospitais com 800 ou mais camas é de 45.

O estudo foi realizado pela multinacional espanhola IASIST para analisar o impacto da covid-19 nas principais linhas de atividade hospitalar e recorreu a dados disponibilizados pela ACSS através do Portal da Transparência, assim como a um inquérito aos hospitais do Serviço Nacional de Saúde.

Os números indicam que ronda os 85% a taxa de ocupação diária destes doentes nas unidades de cuidados intensivos (UCI) e que 17% dos doentes covid-19 internados nas unidades hospitalares precisam destes cuidados especializados.

Mostram ainda que 65% dos doentes admitidos em UCI são ventilados e lembram que alguns hospitais, como aconteceu no Norte do país, nalguns períodos de tempo, tiveram lotação de internamento esgotada.

A suspensão da atividade assistencial não urgente, que fez com que houvesse entre março e setembro menos um milhão de consultas médicas, afetou sobretudo as primeiras consultas (-23%), quando o doente ainda não tem a confirmação do diagnóstico. Nas consultas subsequentes a redução foi de 11%.

A pandemia não só obrigou ao cancelamento de consultas e cirurgias, mas fez com que os doentes, por medo de serem contaminados quando a atividade começou a retomar, faltassem.

Os dados a que a Lusa teve acesso indicam que, nas primeiras consultas, a taxa de absentismo foi de 15% a cardiologia e pediatria e 35% em oncologia. Já o cancelamento atingiu os 25% em neurologia e os 34% em psiquiatria.

Nas consultas subsequentes, as taxas de absentismo fixaram-se em 30% na pediatria e psiquiatria, quanto a taxa de cancelamento atingiu os 10% em cardiologia e neurologia.

O estudo indica que entre março e setembro houve menos 116.265 cirurgias (-30%). A quebra mais elevada registou-se nas cirurgias de ambulatório (-34%), seguidas das cirurgias programadas (-31%), convencionais (-27%) e urgentes (-13%). O mês de abril foi o que registou a maior quebra em todas estas categorias.

Outra das categorias analisadas neste estudo foi a dos transplantes, com uma redução a todos os níveis entre abril e junho. Segundo os dados divulgados, houve menos 44% de transplantes de coração (menos quatro), menos 57% de rim (menos 75 doentes transplantados), menos 37% de fígado (menos 24) e menos 14% de pulmão (menos dois).

Tendo em conta a pandemia que afetou o 2º trimestre do ano, a exceção à regra foram os transplantes do pâncreas, mantendo-se entre abril e junho deste ano os seis transplantes feitos no período homólogo.

Os dados apontam para um “aumento generalizado” de 7% do número de profissionais em todas as profissões da área da saúde entre março e setembro.

No mesmo período, segundo o estudo, os profissionais de saúde faltaram mais ao trabalho (+685.709 dias de ausência, +32%), sobretudo por razões de doença (+55%). Por outro lado, houve menos ausências para assistência a familiares (-11%).

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.