"Já está claro que estamos numa recessão igual ou pior que a de 2009", afirmou Georgieva, numa conferência de imprensa por vídeo na sede da instituição financeira internacional, para avaliar o impacto económico da expansão global do coronavírus.

A líder do FMI disse esperar uma recuperação em 2021 desde que os governos adotem medidas adequadas e "coordenadas".

Georgieva apontou ainda a grande necessidade de financiamento dos países emergentes, avançando um número de 2,5 biliões de dólares, mas salientou que "é uma estimativa baixa e conservadora".

Mais de 80 países solicitaram já assistência financeira à instituição, segundo Georgieva.

"Exortamos os países a intensificarem agressivamente as medidas de confinamento", afirmou. "Podemos reduzir a duração desta crise", acrescentou.

Georgieva também se congratulou com a aprovação de um pacote de apoio à economia norte-americana num montante de cerca de 2 biliões de dólares, sublinhando a necessidade de atenuar o impacto da pandemia na maior economia do mundo, obrigada a suspender a sua atividade como aconteceu em muitos outros países.

"É importante para o povo norte-americano. É também importante para o resto do mundo, dada a importância dos Estados Unidos", considerou.

O coronavírus infetou até agora mais de meio milhão de pessoas em todo o mundo e causou mais de 25.000 mortes, de acordo com os últimos dados da Universidade Johns Hopkins.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.