“A sociedade tem a responsabilidade de, tendo excluído o idoso sob a égide do resguardo e da proteção, preparar a saída do confinamento e repensar o enquadramento a dar a esta população”, lê-se no comunicado enviado pelo SINCLab.

Contactados pela Lusa, os responsáveis pela coordenação científica do laboratório, Rui Serôdio e Alexandra Serra, explicaram hoje que o objetivo da equipa é alertar para o facto de “se retomarem todos os projetos que já existiam no território no âmbito da componente do envelhecimento ativo”.

“Em alguns locais do país, temos cerca de 35 a 40% da população com mais de 65 anos e para as quais têm de existir respostas sociais que não sejam apenas assistenciais, uma vez que se trata de uma população que cada vez tem mais condições de saúde e que precisa de envelhecimento ativo, ou seja, de respostas que vão para lá daquilo que nesta altura tanto se fala”, defendeu Rui Serôdio.

Para os coordenadores do laboratório da Universidade do Porto, que trabalha com os 17 municípios da Área Metropolitana do Porto (AMP) em prol do envelhecimento ativo, “a identidade do sénior não pode ser posta em causa por decreto”.

“Todos os dias, a população idosa recebe uma mensagem terrível de quase morte anunciada e é preciso pensar nisso e trabalhar essa imagem”, defenderam.

Para Alexandra Serra, as respostas sociais “de caráter imediato” que surgiram no âmbito da pandemia da covid-19 podem vir a ser “aprendizagens para o futuro”, mas considera que é necessária a intervenção política e do poder local nesta matéria.

“Estas questões do envelhecimento ativo passam por uma forte intervenção e envolvimento das comunidades na vida das pessoas, por isso, era muito bom que destas respostas que surgiram para proteger esta população, gerassem alguns frutos e a possibilidade de continuidade no futuro, mas estas respostas têm de ter um enquadramento em termos políticos e do poder local”, salientou a responsável.

Acrescentando que é necessária uma mudança de “enfoque”, passando da resposta sanitária e assistencial para “algo mais ambicioso que vê o idoso como uma pessoa com direitos, obrigações e oportunidades para ter uma participação plena e ativa na sociedade”.

Também Rui Serôdio considerou que é fundamental, neste momento, “pensar-se no depois”, ou seja, tornar a mudar o “ênfase para as questões de cidadania e direitos desta população”.

Face às eventuais medidas de proteção e segurança que podem vir a ser aplicadas a esta população, os especialistas acreditam que as respostas promotoras do envelhecimento ativo podem vir a ser executadas “de forma mais particular”.

“Podemos vir a ter respostas não tanto em grandes grupos, como até agora víamos, mas de forma mais particular, mas que continuem a estimular estas pessoas. Isso seria muito interessante pois obriga, uma vez mais, a reformular os nossos paradigmas junto desta população”, concluíram.

Portugal contabiliza 1.074 mortos associados à covid-19 em 25.702 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.