Pedro Siza Vieira respondia ao PSD sobre a entrevista que o governante deu recentemente ao The New York Times, que cita o ministro da Economia a afirmar que "as evidências da mobilidade no país mostram" que os portugueses "não respeitaram as restrições" no período das férias do Natal.

Na sequência do período de férias, o número de casos de covid-19 aumentaram em Portugal.

O governante está a ser ouvido, no âmbito de audição regimental, na comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

Pedro Siza Vieira explicou que tinha tido uma "conversa longa" com o jornalista do título norte-americano, onde foi questionado sobre o que poderia explicar o aumento do número de casos de pessoas infetadas com o novo coronavírus.

"Disse que não tínhamos certezas absolutas", afirmou o ministro, apontando uma conjugação de fatores, que inclui o "aumento da mobilidade durante o período", a "redução de testes" e a "penetração da variante inglesa".

"A última coisa que faria era culpar os portugueses ou enjeitar responsabilidades", asseverou Pedro Siza Vieira.

A pandemia de COVID-19 provocou pelo menos 2.341.496 mortos no mundo, resultantes de mais de 106,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 14.718 pessoas dos 774.889 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Gostava de receber mais informações sobre este tema? Subscreva a nossa newsletter e as nossas notificações para que nada lhe passe ao lado.

Transmissão do vírus SARS-CoV-2: porquê manter dois metros de distância?

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.