O relatório do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) observa o agravamento do consumo nas mulheres e nos grupos etários 25-34 anos e 35-44 anos.

“Entre 2012 e 2016/7 verificou-se um agravamento do consumo de canábis, ao nível das prevalências de consumo recente e das frequências mais intensivas”, refere o relatório do SICAD apresentado hoje na Assembleia da República.

10 benefícios científicos comprovados da canábis terapêutica
10 benefícios científicos comprovados da canábis terapêutica
Ver artigo

Segundo o documento, há um “maior número de pessoas a consumir e mais com padrões de consumo diário (mais de três quintos dos consumidores recentes)”.

Mais de metade dos novos utentes em tratamento admite ser viciada nesta droga considerada "leve", com 54% dos novos casos em tratamento a apontaram a canábis como a droga principal que os levou a procurar ajuda médica, informa o Jornal de Notícias.

Em relação à maioria das outras drogas, os consumos mantiveram-se estáveis, tendo mesmo diminuído em alguns casos, salienta.

Mais casos em tratamento

O número de doentes que foram tratados em ambulatório por uso de drogas aumentou em 2016, contrariando a tendência de diminuição que se registava desde 2009, refere o relatório anual sobre as drogas e toxicodependência hoje divulgado.

De acordo com o relatório, Portugal continua a surgir abaixo dos valores médios europeus relativos às prevalências de consumo recente de canábis, cocaína e 'ecstasy', as três substâncias ilícitas com maiores prevalências de consumo recente em Portugal.

Os Açores e a região norte foram as regiões que apresentaram as prevalências mais elevadas de consumo recente e atual de qualquer droga no escalão 15-74 anos, sendo que no escalão 15-34 anos foram também estas regiões, a par da região centro e de Lisboa.

O Alentejo foi a região com as menores prevalências de consumo recente e atual de qualquer drogas nestas faixas etárias, adianta o documento.

Mortes por overdose diminuíram

Vinte e sete pessoas morreram em 2016 vítimas de overdose, uma diminuição de 33% face ao ano anterior que quebra um ciclo de aumento registado desde 2014, revela o documento.

Citando os registos do Instituto Nacional de Medicina Legal, o Relatório Anual sobre A Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências 2016 refere que “dos 208 óbitos com pelo menos uma substância ilícita no metabolismo e com informação sobre a causa de morte, 27 (13%) foram considerados ‘overdoses’”.

O diretor do SICAD, João Goulão, observa, no preâmbulo de apresentação do documento, a “evolução positiva” de alguns indicadores na área do álcool, como a perceção de “menor facilidade de acesso a bebidas alcoólicas” aos menores e o “retardar das idades de início dos consumos em populações jovens”.

Em contrapartida, alguns indicadores apontam para um agravamento dos consumos de risco ou dependência na população geral de 15-74 anos e “outras evoluções negativas preocupantes em alguns subgrupos populacionais”, como nas mulheres e nas faixas etárias mais velhas, sublinha João Goulão.

Estas são as 10 principais causas de morte em Portugal
Estas são as 10 principais causas de morte em Portugal
Ver artigo

Na área da droga, destaca a descida dos indicadores relacionados com as infeções por VIH e Sida associadas à toxicodependência e com a mortalidade.

“De um modo geral, também foram atingidas as metas definidas para os indicadores relacionados com os consumos dos mais jovens, em particular no que respeita à canábis”, afirma o diretor do SICAD.

Para João Goulão, “estas evoluções colocam grandes desafios para o próximo ciclo de ação”, nomeadamente no âmbito da Rede de Referenciação/Articulação, uma das “medidas estruturantes no domínio da redução da procura, e cuja implementação ficou aquém do desejável no decorrer do ciclo de ação de 2013-2016”.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.