As conclusões foram publicadas na revista médica especializada Proceedings of the National Academy of Sciences. Os investigadores, liderados por Aymen Al-Shamkhani, mostraram que a proteína Akt tem uma função importante no reconhecimento de células de um cancro erradicado.

Segundo a Universidade de Southampton, no Reino Unido, o sistema imunitário inclui células compostas por linfócitos T que procuram ativamente e destroem infeções ou doenças como o cancro.

Quando estas células têm de lidar com o perigo, a maioria delas morre, mas as restantes transformam-se em células de memória, com capacidade de reconhecer uma ameaça futura. No entanto, até à data, a comunidade científica ainda não tinha compreendido ao certo como funcionava este processo.

Veja ainda17 sintomas de cancro que os portugueses ignoram

Leia também: Estes 10 alimentos são potencialmente cancerígenos

Saiba mais: Estas 10 coisas do dia a dia podem provocar cancro

Agora, os cientistas perceberam que a proteína Akt influencia o número e tipo de linfócitos T de memória.

De acordo com os investigadores, se houver a possibilidade de utilizar a proteína Akt para aumentar as células de memória tanto em número como capacidade, talvez seja possível oferecer uma maior proteção contra o cancro.

Aymen Al-Shamkhani acrescenta que a imunoterapia se tem mostrado muito promissora como um novo tipo de tratamento para o cancro. Contudo, é necessário encontrar novas formas de melhorar a memória do sistema imunitário para combater as células cancerígenas.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.