A sugestão partiu hoje do deputado João Semedo na Comissão Parlamentar de Saúde, onde esteve a ser ouvida a associação da indústria farmacêutica (Apifarma) sobre a reposição do preço de venda ao público (PVP) nos medicamentos.

"A responsabilidade de pôr o preço nas embalagens, tanto pode ser da indústria, como das farmácias. Na situação atual talvez seja mais correto que a responsabilidade seja das farmácias", afirmou João Semedo.

Em declarações aos jornalistas, o deputado disse que o Bloco de Esquerda pretende suscitar esta questão no debate na especialidade sobre a reposição do PVP nos fármacos.

Segundo números da Apifarma, custa 400 mil euros repor os preços em cada dez milhões de unidades.

Mas para o presidente desta associação, Almeida Lopes, o principal problema é "o pesadelo logístico" que esta operação implica.

"Devo dizer que [a ideia do Bloco] teria uma vantagem. A aposição do preço [nas farmácias] era mais atual e mais próxima do cliente final. Havia muito menos quantidade de unidades a corrigir", declarou aos jornalistas.

O decreto-lei 106-A/2010, de 01 de outubro, permite que seja eliminada a indicação dos preços de venda ao público, nos casos dos medicamentos comparticipados sujeitos a receita médica.

23 de Fevereiro de 2011

Fonte: LUSA/SAPO

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.