Em 2018, 80 pessoas inscritas no registo nacional de dadores de medula óssea recusaram fazer a doação quando foram chamadas a fazê-lo por serem compatíveis com um doente em risco de vida. A notícia é avançada hoje pelo Jornal de Notícias. O número foi, no entanto, inferior aos dados de 2017 (110).

Às 80 recusas acrescem ainda as recusas dos familiares, que também acontecem e não estão contabilizadas, escreve o mesmo jornal.

O que é a Medula Óssea?

A medula óssea é um tecido esponjoso que preenche o interior vários ossos, como os da bacia. É nesse tecido que existem células progenitoras, ou seja, com capacidade para se diferenciarem e dar origem a qualquer célula do sangue periférico, as chamadas stem cell dos autores ingleses ou células progenitoras/estaminais em português. Estas células renovam-se constantemente mantendo um número relativamente constante em qualquer momento.

Este ano, em março, o caso de Fábio Rocha causou alguma indignação pública e chamou a atenção para a questão das recusas nas doações de medula. Apesar de haver dadores compatíveis no estrangeiro, o jovem de 31 anos, natural de Aveiro, acabou por morrer na sequência de uma leucemia porque nenhum dos dadores se mostrou disponível para a colheita daquele tecido orgânico.

Mitos e desinformação

Os mitos em volta do processo de colheita de medula óssea estarão na base de boa parte das desistências. Por isso, o IPO do Porto decidiu organizar um evento, no próximo dia 21, para sensibilizar para a importância da dádiva e desmistificar conceitos errados.

A iniciativa vai juntar dadores, transplantados e especialistas das principais unidades de transplantação de medula do país.

No total, em 2018, o CEDACE (Centro Nacional de Dadores de Células de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão) recebeu pedidos de ativações para 1424 dadores, dos quais 1102 para doentes estrangeiros e 322 para doentes nacionais.

Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Ver artigo

Quem pode ser dador?

Quem tem entre 18 e 45 anos, peso mínimo de 50kg, altura superior a 1,5 metros, ser saudável e não ter recebido transfusões após 1980.

Como pode tornar-se dador?

Registar-se implica apenas preencher um impresso e tirar uma pequena amostra de sangue. Uma vez registado poderá ser chamado para salvar alguém até aos 55 anos de idade. Basta preencher um formulário disponível nos locais de recolha móvel ou nos locais de recolha permanente. No local de recolha, é-lhe retirada uma pequena amostra de sangue.

Feita a recolha de sangue, passa automaticamente a integrar a Base Nacional de Dadores de Medula Óssea (CEDACE) e a base mundial: Bone Marrow Donors Worlwide.

Dador pode desistir da doação?

O potencial dador pode, em qualquer momento, desistir do processo.

10 alimentos que aumentam o risco de cancro
10 alimentos que aumentam o risco de cancro
Ver artigo

Há riscos para o dador?

Doar medula óssea não tem riscos, nem acarreta sofrimento físico para o dador. É um gesto muito simples, e com esse gesto, uma vida pode ser salva.

Nenhuma das técnicas representa qualquer perigo para o dador, uma vez que a colheita é feita no bloco operatório, em regra com anestesia geral. Exige um internamento de uma noite e após a colheita são recomendados quadro dias de descanso. Na citaferese (colheita feita em sangue periférico, através de um cateter ou de duas veias), o doente sai do hospital no mesmo dia e deve repousa durante um dia.

Para mais informações consulte o site da Associação Portuguesa contra a Leucemia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.