A observação da execução das sequências de Tai Chi por um fisioterapeuta, levou à verificação de algum paralelismo entre estas e os padrões de diagonais de movimento humano. De acordo com a experiência profissional dos autores, vários praticantes de Tai Chi desenvolviam gonalgias associadas a algumas posições específicas.

Face às restrições impostas pela filosofia "milenar" do Tai Chi, que impede a alteração dos movimentos e das suas sequências, surgiu a ideia de criar algo que fugisse à "rigidez" do Tai Chi Chuan. Esta passou pela integração dos padrões de movimento normais do ser humano nos princípios da técnica oriental, retirando desta os componentes mais agressivos para as articulações. Deste modo deu-se início à construção do conceito/técnica do PNF-Chi.

Tai Chi Chuan no PNF-Chi

O Tai Chi Chuan é uma forma de arte marcial que remonta há cerca de seis mil anos e cuja criação é atribuída a monges budistas. A fonte de inspiração para esta arte partiu da observação de movimentos suaves e complacentes utilizados pelas cobras para esquivarem-se dos seus predadores. O seu nome quer dizer "Derradeiro Punho Supremo", mas não simboliza o seu verdadeiro significado.

As expressões "Força na Suavidade", "Poesia em Movimento ou "Harmonia Móvel" estão mais próximas de exprimir a verdadeira essência do Tai Chi. O Tai Chi Chuan é praticado atualmente por milhões de pessoas, especialmente por idosos, como uma forma de exercício e com finalidades terapêuticas.

Desde o advento da medicina tradicional chinesa no ocidente, vários profissionais de saúde, entre eles o fisioterapeuta, têm aumentado o seu interesse devido aos potenciais benefícios para a saúde que esta arte pode trazer (Jancewicz, 2000).

O Tai Chi é considerado uma atividade que melhora a forma física, sendo a sua aplicação regular fonte de um aumento das capacidades funcionais de coordenação e mobilidade assim como de um aumento de autoestima e confiança (Jancewicz, 2000).

É também descrito o seu papel como promotor da saúde quer a nível físico, quer a nível psicológico (Irwin et ai,2004), proporcionando ao praticante uma grande sensação de satisfação e sentimento de conquista e bem-estar (Hongétf â/,2000).

Apesar do Tai Chi ser praticado por pessoas de todas as idades e de ambos os sexos, grande parte dos estudos são realizados com populações idosas.

Saiba mais na próxima página

Elementos do Tai Chi no PNF-Chi

1. Movimentos rítmicos e lentos que facilitam a consciencialização da posição dos segmentos corporais durante o movimento, assim como da velocidade, força, trajetória e execução dos movimentos, e a consciencialização do ambiente em redor;

2. Ênfase na manutenção de uma postura vertical, com o corpo numa posição central;

3. Transferências de peso de um membro inferior para o outro, promovendo o ganho de força e equilíbrio dinâmico; 

4. O uso de diferentes segmentos corporais, atuando alternadamente como estabilizadores e mobilizadores, permite a execução de movimentos de modo suave sem comprometer o equilíbrio e a estabilidade;

5. Movimentos simétricos e em diagonal do membro superior que promovem o movimento pendular do membro superior na marcha e aumentam os movimentos de dissociação entre membros superiores, tronco e a bacia; 

6. Flexão moderada dos joelhos que baixa o centro de gravidade e aumenta assim a estabilidade;

7. Movimentos amplos e em "espiral" promovem um incremento da flexibilidade articular;

8. Movimentos que envolvem tanto contração muscular isométrica, como isotónica;

9. Com o Tai Chi Chuan procura-se alcançar a velocidade do puma, a calma da graça, a paciência do camelo, a coragem do tigre e a longevidade da tartaruga”.

PNF no PNF-Chi

Como o próprio nome indica o PNF consiste na "facilitação neuromuscular propriocetiva" do movimento, pois reconhece que a condição física depende de um processo neuromuscular que envolve recetores sensitivos e a integração do movimento funcional.

Este conceito começou por ser descrito entre 1940 e 1950 por Herman Kabat, Margaret Knott e Dorothy Voss, como modalidade de tratamento para utentes paralisados. Originalmente designado para facilitar a flexibilidade, o fortalecimento e coordenação, o PNF encontrou seguidores nas áreas mais ligadas ao fitness.

Saiba mais na próxima página

O movimento funcional normal é composto por padrões de movimento em diagonal dos membros e dos músculos sinérgicos do tronco (Kabat, 1960 cit. por Adler et ai, 1999). Estes padrões combinam movimentos nos três planos (sagital, frontal e horizontal), potencializando a atividade e exigindo menos gasto de energia com uma maior eficácia do movimento.

Os padrões são compostos por três componentes principais a nível proximal (flexão/extensão; abdução/adução; rotação interna/externa) e acessórios a nível distal (flexão/extensão do cotovelo/ joelho; supinação/pronação; desvio radial/cubital; flexão/extensão do punho/dedos; eversão/inversão; flexão dorsal/flexão plantar).

Segundo Adler et. ai (1999), o PNF é mais do que uma técnica, é sim uma filosofia de tratamento, que tem como base o conceito que considera o ser humano como um todo e não só como um segmento corporal.

PNF-Chi técnica de mobilização global ativa

O PNF-Chi apresenta-se então como um conceito de mobilização global ativa, desenvolvido por fisioterapeutas, adequado a todas as idades. Baseando-se em todos os princípios do PNF e do Tai Chi descritos anteriormente, o PNF-Chi coloca o principal ênfase em:

- Movimentos lentos e contínuos, executados em diagonal, e em toda a amplitude de movimento, sem colocar as articulações closed-packed positio;
- Contração de músculos agonistas e antagonistas (execução do movimento pelo agonista com o controlo controlo/resistência ao movimento do antagonista);
- Controlo respiratório podendo ser combinado com movimentos para flexão ou para extensão conforme a intenção, seja de reenforço ou de alongamento.

Tendo como principal base os princípios de movimento do Tai Chi, o PNF-Chi altera os movimentos sequenciais e circulares do primeiro, substituindo-os pelos movimentos em diagonal do PNF e integrando- os em pequenas progressões.

As sequências de progressões não são fixas, tendo como linha orientadora o aumento da dificuldade dos exercícios, começando por movimentos mais simples e progredindo para mais complexos.

Geralmente cada movimento é realizado três vezes: a primeira vez serve para o aluno visualizar e tentar aprender o movimento, à segunda o aluno tenta integrar o mesmo e realizá-lo com algum grau de interiorização, enquanto que à terceira vez, o aluno tenta realizar o movimento já interiorizado de forma correta, com total consciência das alterações que ocorrem no seu corpo.

Saiba mais na próxima página

A velocidade com que os movimentos são realizados, não deverá ser muito elevada de modo a promover a integração dos movimentos, permitir a adaptação contínua das estruturas mio-fasciais e articulares à posição do corpo, e promover aumento dos tempos respiratórios.

O controlo respiratório poderá ser utilizado de variadas formas, dependendo do objetivo do exercício. Se o objetivo for promover o alongamento, então nos movimentos para flexão do membro superior utiliza- se a expiração, de forma a promover um maior afastamento entre a origem e a inserção das estruturas.

Contudo, se o objetivo for o reenforço, utilizase nos mesmos movimentos a inspiração, de modo a promover uma postura de abertura mais acentuada, com maior extensão do tronco; nos movimentos para extensão do membro superior, caso o objetivo seja o reenforço, utiliza-se a expiração, permitindo uma maior exsuflação dos pulmões e consequentemente uma postura de fecho mais acentuada.

Como referido anteriormente, o PNF-Chi utiliza a cocontracção dos agonistas e antagonistas mantida ao longo do movimento, para que o movimento seja autorresistido, ao contrário do PNF em que a resistência é aplicada externamente pelo fisioterapeuta, o qual atua como um ponto fixo.

Dadas as características de realização dos movimentos físicos e do relaxamento adquirido com estes, é proporcionado ao praticante a oportunidade de atingir um estado contemplativo e de concentração, que lhe permite um maior controlo sobre o seu organismo.

Assim, apesar de não existirem estudos sobre os efeitos do PNF-Chi, pode-se extrapolar a partir da experiência clínica e com base nos benefícios atrás referidos sobre o PNF e o Tai Chi, que este nova técnica promove os mesmos, dos quais se destacam o relaxamento, a consciencialização corporal, a integração de movimento, o ganho de equilíbrio e coordenação, o controlo respiratório, ganho de flexibilidade e força, ganho de resistência ao esforço e o treino propriocetivo (posicionamento articular e equilíbrio).

Esta técnica apresenta-se então como um instrumento ideal para a promoção do bem-estar físico e psicológico dos seus praticantes.

Princípios do PNF utilizados no PNF-Chi
- Uso de padrões de movimento em diagonal/espiral
- Movimento cruzado com a linha média
- Recrutamento de todos os componentes do movimento
- Recrutamento dos grupos musculares relacionados
- Movimento sem dor, mas com esforço
- Uso de múltiplas articulações e ações musculares
- Recrutamento de agonistas e antagonistas
- Contrações repetidas para facilitar a aprendizagem motora
- Ênfase na coordenação motoro-visual
- Progressão de atividades simples para complexas

Fonte: Relatórios de estágio (abril 2005) dos alunos do Curso de Fisioterapia, da Escola Superior de Saúde do Alcoitão, Daniel Simão e Renato Silveira.
Agradecimentos: Eva Albuquerque e Paulo Albuquerque; Wellness Center do Hotel do Caracol; PNF Chi the Art of Balance-made in Terceira-Açores

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.